Geradores de energia elétrica são instalados em cinco escolas de Iranduba e Manacapuru

Além de garantir o funcionamento das unidades, a instalação dos equipamentos deve restabelecer o fornecimento de água de poços artesianos à população. Municípios estão sem energia elétrica desde domingo (21)

Manaus – Cinco escolas localizadas nos municípios de Iranduba e Manacapuru, (distantes 27 e 68 quilômetros, respectivamente, de Manaus) que estão sem energia elétrica desde domingo (21), receberam geradores de energia nesta terça-feira (23). Além de garantir o funcionamento das unidades, a instalação dos equipamentos deve restabelecer o fornecimento de água de poços artesianos à população.

A ação emergencial, coordenada pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM) e pela Defesa Civil do Amazonas, iniciou no fim da noite de segunda-feira (22), quando os primeiros geradores começaram a chegar às localidades.

O governador Wilson Lima reuniu com o secretariado na manhã de segunda-feira (22) e determinou o envio emergencial de geradores devido à interrupção do fornecimento de energia elétrica, causado pelo rompimento do cabo subaquático do local.

A ação emergencial, coordenada pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM) e pela Defesa Civil do Amazonas (Foto: Divulgação/Secom)

“A Defesa Civil já estava com o trabalho de ajuda humanitária, e definimos que uma das nossas prioridades era também voltar com água nas torneiras. Por isso envolvemos a Seduc-AM, que tem poços artesianos que poderiam ser úteis nesse processo. Nossas escolas estarão abertas para dar esse apoio a quem está precisando”, explicou.

Além de ajudar no abastecimento de água, os geradores vão ajudar a conservar os itens da merenda escolar, que não podem ser perdidos. Para isso, foram enviados geradores para os Centros Educacionais de Tempo Integral (Cetis) Washington Luís Régis da Silva, em Manacapuru, e Maria Izabel Desterro e Silva, de Iranduba, além de outras três escolas dos municípios.

Educação

Pela Seduc-AM também foram enviadas equipes de nutricionistas aos dois municípios. O objetivo é avaliar a qualidade dos alimentos da merenda escolar armazenados que necessitam de refrigeração e podem ter sofrido alterações nos últimos dias.

blank

A prioridade é separar os alimentos que possam se encontrar impróprios (Foto: Divulgação/Secom)

Segundo o secretário de Estado de Educação, Luiz Castro, a prioridade é separar os alimentos que possam se encontrar impróprios, para garantir que nenhum aluno os consuma, e que não sejam perdidos os alimentos em bom estado.

“Nossa principal preocupação foi suspender as merendas preparadas, até que tivéssemos garantia de quais insumos ainda estavam próprios para consumo. Infelizmente a falta de energia atinge o armazenamento frigorífico e provavelmente causou grandes perdas, mas o essencial agora é garantirmos que a merenda só voltará para a mesa dos alunos com 100% de segurança e qualidade”, afirmou Luiz Castro.

 

Anúncio