Golpistas invadem conta de aplicativo de banco e roubam dinheiro de empresária em Manaus

Cibercriminosos acessaram seus dados pessoais e roubaram o dinheiro que estava na conta

Manaus – Os golpes na internet tem se tornado cada vez mais comuns, cibercriminosos tem se aproveitado da falta de experiência ou de atenção de muitas pessoas para aplicar golpes. Nas última semana, muito relatos surgiram na internet de que e-mails surgem na caixa de entrada, lixo ou spam do usuário que logo após clicar nesses links, enviados com falsas propagandas ou falsas promoções, imediatamente o dispositivo da pessoa é invadido e dá permissão para o golpista ter acesso a todas as informações pessoais, como fotos, vídeos, contatos e até conta bancária, pois os links estão infectados por um software malicioso ou um vírus invasor.

Invasão celular computador crime internet (Foto: Divulgação Pixabay)

De acordo com a empresa de segurança tecnológica kaspersky, um dos vírus mais usados são os cavalos de troia (ou trojans), que são um tipo de malwares que permitem o acesso remoto ao computador ou aparelho celular, após a infecção.  (Foto: Divulgação Pixabay)

Foi o que aconteceu com a empresária, Karen Regina Hernandes, de 48 anos, ela relata que não se recorda como, mas, cibercriminosos acessaram seus dados pessoais e roubaram uma alta quantia em dinheiro.

“Não me recordo como dei acesso aos hackers, porém, eles invadiram minha conta bancária e transferiram dois valores altos, sendo um via PIX e outro TED, pela Caixa Econômica Federal”, disse.

Karem Relata que foi até a delegacia com o marido, Eloi Neto, fazer o Boletim de Ocorrência (B.O), logo após o ocorrido.

“Eu e meu marido fomos até a delegacia e fizemos o B.O relatando tudo o que aconteceu, e em seguida, também fomos até o banco e relatei o ocorrido. Entreguei o B.O na Caixa e eles disseram que iriam fazer uma análise para descobrir o que aconteceu e disponibilizar as informações da conta de origem”, contou.

Karen também disse que, caso o banco não resolva a situação, ela vai entrar na justiça com uma ação de danos morais contra a instituição por falta de resposta.

O delegado titular da Delegacia Especializada em Repressão de Crimes Cibernéticos (Dercc) disse que esse os crimes cibernéticos envolve uma complexibilidade muito grande, e um dos grandes problemas é a pessoa caracterizar o autor  do crime.

“Você precisa ter, especificamente, o liame subjetivo entre a autoria e a materialidade, ou seja, o fato. Nos crimes cibernéticos quase sempre nós temos o fato, mas para identificar o autor nós temos que efetivar uma série de procedimentos que vão desde pesquisas encaminhamentos de ofícios e requisição de informações”, disse.

Anúncio