Grupo de manifestantes que pediu retorno de narcotraficantes recebeu dinheiro de facção, diz SSP

De acordo com a SSP, parte dos manifestantes que participou do ato pedindo o retorno das lideranças da facção criminosa Família Do Norte (FDN) a Manaus recebeu dinheiro para estar no local

Manaus – Parte dos manifestantes que participou de um ato pedindo o retorno das lideranças da facção criminosa Família Do Norte (FDN) a Manaus recebeu dinheiro de membros do grupo criminoso para estar no local. Integrantes da facção criminosa assediaram dezenas de moradores que residem na periferia do conjunto Viver Melhor, no bairro Santa Etelvina, na zona norte, onde moram presidiários que cumprem pena, em regime semiaberto.

A informação foi captada pela inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) logo após a realização da manifestação. A manifestação ocorreu na quarta-feira (9), em frente ao Fórum Henoch Reis, na zona sul de Manaus, com presidiários que estavam usando tornozeleiras eletrônicas e foram soltos após desativação do prédio do regime semiaberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). Entre os manifestantes estavam também moradores do conjunto que não fazem parte da FDN.

“Sabemos que se não fosse por questões financeiras, não estariam ali”, afirmou o tenente-coronel Bruno Azevedo, coordenador de operações da Secretaria Executiva Adjunta de Operações (Seaop) da SSP-AM. Com a informação, a polícia desencadeou uma operação no conjunto que iniciou na tarde de quarta e seguiu até a tarde desta quinta-feira (10). Quatro pessoas foram presas e dois adolescentes apreendidos.

Azevedo afirmou que, para a polícia, a maior parte da população do Viver Melhor é composta por pessoas honestas. No entanto, há uma minoria que está assediando os moradores e deve ser tratada com a ação da polícia. A operação policial também se direcionou ao conjunto Viver Melhor, devido à grande população carcerária do regime semiaberto que passou a morar no local após os presos terem sido monitorados por tornozeleira eletrônica.

“Eles não estão respeitando as condicionantes do uso da tornozeleira”, disse o capitão Bruno Pereira, comandante da 26a Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Ele acrescentou que, quando capturados, esses presidiários podem ter que continuar a cumprir a pena em regime fechado. O comandante informou que a 26a Cicom está recebendo muitas denúncias de tráfico de drogas no conjunto e que podem render solicitações de mandados de prisão à Justiça. Denúncias devem ser feitas ao 181 da SSP-AM. “Tenho ordens para manter a operação no Viver Melhor”, afirmou Pereira.

Operação

Conforme a Policia Civil, durante a operação, foi preso Sérgio Roberto Corvelo, com 1 kg de oxi, na tarde de quarta. Nesta quinta, Francirney Oliveira Nascimento, foi preso, e a namorada dele, uma adolescente, de 17 anos, apreendida com dezenas de trouxinhas de oxi. A operação também capturou o presidiário Phelipe Ítalo Alves de Almeida que era considerado foragido da Justiça desde setembro do ano passado. Também durante a operação foi preso Manoel Gemaque Cardoso, com uma moto cuja placa estava adulterada e com restrição de furto. Um adolescente, de 15 anos, também foi apreendido com trouxinhas de entorpecente.

Anúncio