‘Homem de confiança’ de Wilson Lima é preso pela Polícia Federal

A prisão de Gutemberg Alencar aconteceu durante a 2ª fase da operação Sangria, nesta quinta-feira (8). Ele é apontado como o articulador na compra e venda dos respiradores pulmonares superfaturados pelo Governo do Amazonas

Manaus – Um dos alvos da 2ª fase da operação Sangria é apontado como o articulador na compra e venda dos respiradores pulmonares superfaturados pelo Governo do Amazonas. Gutemberg Alencar foi preso na manhã desta quinta-feira (8) pela Polícia Federal (PF). Ele é apontado como o coordenador de campanha no interior do Estado, do governador Wilson Lima (PSC).

Em coletiva de imprensa na sede da Polícia Federal, o delegado-geral Henrique Albergaria Silva apontou Alencar como o empresário que realizou a articulação na compra superfaturada dos 28 respiradores pulmonares durante a pandemia de Covid-19. “Foi possível verificar a presença de um empresário que atuava como articulador entre a cúpula do governo do Estado e a empresa contratada”, disse o delegado.

O programa AMAZONAS DIÁRIO, do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇAO (GDC), denunciou em julho que Gutemberg Alencar foi apontado pela ex-gerente de compra da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), Alcineide Figueiredo Pinheiro, como o operador do governador Wilson Lima. Alcineide foi presa na 1ª fase da operação Sangria, em 30 de junho.

De acordo com o depoimento da ex-gerente de compra, Alencar foi chamado para atuar como mediador entre a secretaria e os fornecedores durante a pandemia de Covid-19. Em uma reunião no dia 21 de março para tratar sobre a questão dos respiradores, estiveram presente o secretário de saúde, na época Rodrigo Tobias, secretário executivo João Paulo Marques e ‘Alencar’.

Na conversa, o ex-secretário de saúde Rodrigo Tobias “afirma ter recebido uma demanda do governador, a respeito de um empresário de uma rede de supermercados, que ficaria responsável pelas compras pelo governo, para posteriormente revender ao Estado”.

Ainda segundo o depoimento, ele foi apontado por “comprar” os respiradores para que o governo do Amazonas o pagasse depois, já que a SES-AM não tinha meios para comprar à vista. Mas, não foi esclarecida a forma de pagamento por parte do Estado.

A Rede de Supermercados, o qual Alencar faria parte, possui relações com a empresa Big Trading e Empreendimentos, que financiou a FJAP, a famosa loja de vinhos, na aquisição superfaturada de respiradores.

Em nota, a Rede informou que não possui qualquer envolvimento com pessoas ou empresas citadas no caso da compra de equipamentos da saúde. A relação do grupo com a empresa Big Tranding limita-se à compra de suas lojas na cidade de Manaus, realizada pela marca. O Grupo informou ainda não atuar com importação de equipamentos de saúde.

Articulador do governo

Guttemberg Alencar é empresário e ex-policial militar. Ele é conhecido por circular entre políticos e empresários do Estado há vários anos.

De acordo com o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Falcão, após receber o dinheiro do Governo do Amazonas, a FJAP Importadora transferiu a quantia de R$ 2,2 milhões (US$ 525 mil), por meio de operação cambial, para a empresa Jalusa Corporation, que havia vencido uma licitação da então Susam para compra de respiradores que não chegou a ser efetivada.

Segundo informações do delegado-geral da Polícia Federal no Amazonas, Henrique Albergaria Silva, foi comprovado que a empresa que recebeu o dinheiro da venda dos 28 respiradores no exterior é de fachada.

Respiradores pulmonares

Em abril, segundo depoimento da ex-gerente de compras Alcineide Pinheiro, iniciou o processo de compra dos respiradores pulmonares mas que não foi com o fornecedor definido e quando chegou o processo para ela, veio com a autorização do secretário executivo da Susam, João Paulo Marques, com a descrição do respiradores alterada. “chegou com uma descrição genérica, designando o produto como “ventilador pulmonar” e informei que a descrição estava equivocada, porque não condizia com o motivo”. Alcineide ainda disse que pela experiência pessoal e de outras pessoas do setor com a doença, tinha ciência de que esses respiradores não serviam para entubar pacientes na UTI e que os respiradores da Sonoar eram apenas para transporte e atender pessoas com até 50% da capacidade respiratória.

Ainda em depoimento, Alcineide disse que antes de comprar, informou aos secretários Rodrigo Tobias e João Paulo Marques que os respiradores da Sonoar não serviam para entubar pacientes, mas eles responderam: vai ter que comprar, é uma ordem! Para a ex-secretária de compras da Susam, a “ordem” emanava do governador Wilson Lima, já que ele seria o superior dos secretários. Orientada, Alcineide continuou com a compra dos respiradores com o auxílio de Gutemberg Alencar, que indicou a loja de vinhos FJAP.

Anúncio