Homem que tirou ouro de destroços de aeronave terá que provar origem, diz polícia

Segundo a polícia, após a queda da aeronave, que deixou dois mortos, no Amazonas, um homem pegou barras de ouro dentre os destroços, alegando ser dono da carga

Manaus – O homem que retirou uma caixa que continha barras de ouro, de dentro da aeronave PR-RCJ, que caiu e deixou duas pessoas mortas, no interior do Amazonas, terá que comprovar a legalidade e origem das barras. Segundo o delegado da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Itacoatiara, Paulo Barros, o homem, identificado apenas como Leandro Rodrigues, afirmou ser dono do ouro.

Junto aos destroços da aeronave, encontrados pelo Corpo de Bombeiros, nessa quinta-feira (17), na comunidade Arari, de difícil acesso, no município de Urucurituba (a 208 quilômetros a leste de Manaus), foram encontradas 233 barras de ouro, de cerca de 9,5 kg, que equivalem a R$ 1,5 milhões.

A Polícia Civil do Amazonas informou que Leandro foi até o local do acidente e, durante a investigação, tentou sair do local com o ouro, que estava dentro de uma caixa de ferramentas. A polícia está aguardando a prova documental que certifica a posse do minério.

Antônio Renan Azevedo, 28, e José Souza de Oliveira, 47, naturais de Itaituba-PA, morreram no acidente. Antônio era quem pilotava a aeronave.

Questionado sobre a possibilidade do avião ter sido abatido, o delegado Paulo Barros informou que essa possibilidade foi descartada pela polícia. “Ainda não sabemos as causas, mas foi realmente um acidente”, disse.

Segundo a polícia, quem encontrou os destroços foram os próprios comunitários da área, e, após o chamado, investigadores de polícia e equipes do Corpo de Bombeiros foram deslocados até o local. “Durante a análise, um homem chamado Leandro alegou ter alugado o avião para as vítimas”, contou.

De acordo o delegado, Leandro se encaminhou até os destroços do avião, pegou uma caixa e se afastou do local. “Nós estranhamos a atitude, abordamos e encontramos esse material”, disse. Paulo contou, ainda, que Leandro revelou ser dono de garimpos nos Estados do Amazonas e Pará, mas não apresentou nenhum documento comprobatório, até o fechamento dessa reportagem.

Destroços foram encontrados em mata de difícil acesso (Foto: Reprodução)

Na Delegacia Geral, em Manaus, para onde o material e o homem foram levados, Leandro não quis falar sobre o caso com a reportagem. Segundo a PC, ele será ouvido e, até a comprovação, o ouro ficará apreendido. “Ele terá que comprovar que o ouro é dele através de documentações, além da legalidade dos garimpos. Se não fizer, será indiciado por extração ilegal de minério e encaminhado para a Polícia Federal”, acrescentou o delegado.

Ao apreender o material e deslocá-lo até Manaus, a Polícia Civil solicitou, por questões de segurança, o apoio do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera) para fazer escolta. “Apareceram várias pessoas, pararam o avião querendo criar tumulto para saber informações então decidimos solicitar esse apoio”, disse.

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que, nesta sexta-feira (18), uma equipe será enviada ao local da queda da aeronave PR-RCJ, que deixou duas pessoas mortas, para iniciar as investigações sobre o acidente. A FAB afirmou que os investigadores do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VII), localizado na capital, órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), irão ao local para efetuar a Ação Inicial da ocorrência.

Anúncio