Homenagens marcam a despedida do cantor Zezinho Corrêa

O corpo foi velado em cerimônia fechado ao público no Balneário do Sesc, zona centro-oeste

Manaus – O cantor Zezinho Corrêa, 69, foi sepultado no fim da tarde deste sábado (6) no Cemitério São João Batista, que fica no Bairro Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul.  O corpo foi velado em cerimônia fechado ao público no Balneário do Sesc, zona centro-oeste. O vocalista da banda Carrapicho, morreu em decorrência da Covid-19.

(Foto: Marcos Lima / GDC)

Sendo informações da família, o cantor foi infectado pelo coronavírus e estava internado desde o dia 04 de janeiro, no hospital, Samel, zona sul. Porém seu quadro a agravou é ele foi transferido para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Prontocord, na zona centro-sul. A família informou na manhã deste sábado que ele havia falecido.

O velório foi realizado no Teatro que leva seu nome no Balneário do Sesc. Por conta das medidas de restrição, o público não pode acompanhar o velório. A família pediu que o cantor fosse homenageado, mesmo de longe.

blank

(Foto: Marcos Lima / GDC)

“A voz do Zezinho será eterna. Ele teve chances de ir embora do Brasil, mas preferiu ficar aqui na cidade que tanto ama. A gente espera que o povo amazonense possa prestar homenagens a ele porque ele merece”, disse Alexandre Corrêa, primo do cantor.

Leia mais: Cantor Zezinho Corrêa morre após luta contra a Covid-19

Zezinho ficou conhecido mundialmente como vocalista da banda Carrapicho, que tocava forró no anos 80 e nos anos 90, estourou mundialmente com a música de Boi-bumba, Tic-Tac.

blank

(Foto: Marcos Lima / GDC)

“Ele estava muito feliz pela promessa de reunir os amigos do Carrapicho para tocar novamente. Ele estava esperando passar essa pandemia para fazer novos shows com o grupo, mas o desejo dele não foi realizado, o que deixou todos nós tristes” disse Suelen Leal, que acompanhava o enterro.

O corpo de Zezinho foi levado em um caminhão do corpo de bombeiros e percorreu diversas ruas da cidade de Manaus até chegar ao cemitério. Por onde passava, o cortejo era recepcionado por palmas da população.

Anúncio