Hospital Delphina Aziz opera com limitações

O Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Rinaldi Abdel Aziz, na Avenida Torquato Tapajós, zona norte de Manaus, está funcionando apenas com 37% de sua capacidade

Manaus – O Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Rinaldi Abdel Aziz, na Avenida Torquato Tapajós, zona norte, está funcionando apenas com 37% de sua capacidade, cinco meses após o governo do Amazonas contratar o Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) por R$ 172,1 milhões para administrar a unidade. A constatação foi feita pelos deputados Wilker Barreto (Podemos) e Dermilson Chagas (PP) que realizaram uma vistoria, na última sexta-feira (30), com a presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Patrícia Sicchar.

Desde março, o INDSH já recebeu R$ 33,8 milhões e não passou da primeira fase de implantação dos serviços, deixando desativados completamente o quarto e quinto andar da unidade, e parcialmente desativados o terceiro e sexto andar (lado B e A, respectivamente). Assim, apenas 137 leitos estão ativos e 175 inativos. As salas cirúrgicas também não correspondem ao contrato. Isso porque, do total de 11, apenas duas estão em pleno funcionamento, um déficit de 1.300 cirurgias ao mês.

“Eu escutei da diretora clínica do hospital que as metas não andaram, estão paralisadas, e por isso o Instituto não consegue passar de fase. Tem 200 leitos esperando a autorização da Susam para que possam ser utilizados, enquanto isso o 28 de Agosto, João Lúcio, o Fcecon estão sem retaguarda. Aqui há uma estrutura de ponta, mas que não funciona, pelo contrário, temos superlotação. Numa enfermaria que caberia sete a oito leitos, tem 28 pessoas para um médico atender”, revelou Wilker.

Durante a visita, foi possível verificar que a sala de suturas da unidade está servindo como ‘enfermaria’. No local, foram encontrados seis pacientes, com enfermidades diferentes, e que relataram não receber o tratamento devido. “Estou aqui desde sexta-feira (23), nessa sala pequena, amontoado com outras pessoas, onde não se pode desligar a luz para nada, pois a sala de sutura fica aberta e com um computador ligado, e há três dias o medico não passa por aqui. Até ontem estava numa poltrona e hoje vim para essa maca fria. Uma tristeza”, disse Henrique Reis, 26, morador do Jorge Teixeira.

Deputados denunciam precariedade apesar de repasses do Estado (Foto: Alfran Leão/Divulgação)

A unidade mais cara do Amazonas também não é referência quando o assunto é atendimento, medicamentos e insumos. Apesar da unidade se negar a disponibilizar documento oficial, foi possível constatar a falta de lençóis, macas, colchonetes, fios de sutura, fio prolene, fio de nylon, fio de algodão, fio de seda, entre outros.

“O Delphina poderia reforçar o Fcecon. Pacientes oncológicos que deveriam ter suas peças analisadas em 30 dias, inclusive realizando mais de 1.700 análises anatomopatológicas, não tem esse serviço. Isso aqui é um elefante branco. A realidade precisa ser outra. Estrutura tem”, disse a presidente da Simeam, Patrícia Sicchar.

Para o deputado Dermilson Chagas, a fiscalização testemunha a falta de boa vontade do governo. “O que dá para perceber é a má aplicação do recurso público. Estão matando gente, é lamentável”, disse o parlamentar que junto à equipe de fiscalização foi obstruído por 50 minutos na entrada do Delphina.

Nota

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que reduziu, de R$ 172 milhões para R$ 154 milhões por ano ano, o equivalente a mais de R$ 18 milhões, o valor global do contrato com o INDSH e que a redução atende uma readequação e ajustes no plano de implantação dos serviços no hospital, programado para ser executado até o fim do ano.

A Susam esclarece, ainda, que, por questões orçamentárias, será preciso reprogramar as fases de implantação dos 203 leitos que o atual governo encontrou fechados em janeiro de 2019. Inaugurado parcialmente, em 2014, o hospital nunca funcionou com os 312 leitos que possui. Em janeiro, quando o governador Wilson Lima assumiu, a unidade estava operando com cerca de 100 leitos (32%).

Deputados constatam precaridade no funcionamento do Hospital Delphina Aziz

Deputados constatam precaridade no funcionamento do Hospital Delphina Aziz. #D24AM

Posted by D24am on Saturday, August 31, 2019

Anúncio