Indígenas Warao são atendidos em ação de cidadania no PAC São José

O atendimento foi direcionado a venezuelanos indígenas da etnia Warao que vivem nos dois espaços de acolhimento provisório em Manaus

Manaus – A Prefeitura de Manaus levou serviços de saúde e assistência social para as famílias venezuelanas da etnia Warao, durante a ação de cidadania interinstitucional organizada pela “Operação Acolhida”, realizada neste sábado (21), na Unidade de Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC) do UAI Shopping São José, na Alameda Cosme Ferreira, zona leste.

Atualmente, 807 indígenas estão nos abrigos do executivo municipal (Foto: Márcio James/Semcom)

O atendimento foi direcionado a venezuelanos indígenas da etnia Warao que vivem nos dois espaços de acolhimento provisório, administrados pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), e os que chegaram recentemente na rodoviária de Manaus. Atualmente, 807 indígenas estão nos abrigos do executivo municipal.

“Hoje, eles estão regularizando a questão documental, além da inserção no Cadastro Único que a Semasc desenvolve para ações de programas sociais, por exemplo a transferência de renda da Bolsa Família. Estamos fazendo a acolhida e orientação, além dos encaminhamentos necessários para que eles venham garantir direitos”, destacou a diretora do Departamento de Proteção Social Especial (DPSE) da Semasc, Mirella Lauschner.

Segundo a chefa do escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) em Manaus, Catalina Sampaio, a “Operação Acolhida” veio garantir os direitos humanos. As ações continuarão focando em soluções imediatas que acabam salvando vidas. “Essa é uma ação articulada com a Acnur em parceria com o município, Estado, Governo Federal, Organizações da Sociedade Civil, Forças Armadas e outras agências da Organização das Nações Unidas (ONU) para garantir principalmente o acesso à documentação, que é a primeira porta para os refugiados terem seus direitos”, pontuou.

Na ocasião, os refugiados também puderam emitir documentos e dar andamento em pedidos de refúgio, expedir o CPF, Carteira de Trabalho e entre outros serviços.

Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) levou mais de 50 profissionais da área para o atendimento dos indígenas venezuelanos. Os imigrantes tiveram acesso à emissão do cartão SUS, aferição de pressão arterial, avaliação antropométrica, consultas clínicas e de enfermagem, imunização, exames da pele para detecção de dermatites e outros agravos da pele, inclusive hanseníase, doenças exantemáticas, identificação de sintomáticos respiratórios e distribuição de preservativos.

“A Prefeitura de Manaus tem se preocupado bastante com os refugiados. A Semsa é uma das parceiras da “Operação Acolhida” no sentido de viabilizar o direito à saúde para essas pessoas. Normalmente, temos realizado ações pontuais em cada abrigo e rodoviária, levando equipe médica, de imunização, farmacêutica e testes rápidos para diagnóstico de doenças”, disse o coordenador da política de saúde indígena do órgão, Daniel Vasconcelos.

Integração

A ação também teve a participação do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), da Secretaria Estadual de Justiça, Direitos e Cidadania (Sejusc), Secretaria Estadual de Assistência Social (Seas), Legião da Boa Vontade (LBV) e dentre outras instituições.

Anúncio