Interior do AM segue com oxigênio escasso

Órgãos conseguiram obrigar os governos federal e estadual a distribuírem oxigênio para os municípios do interior do Amazonas, no dia 18 de janeiro, mas, o desabastecimento continua

Manaus – “As pessoas não morreram, ainda, porque a gente está trabalhando no limite diário de oxigênio.” A frase em tom alarmante é da defensora pública Márcia Mileni, que coordena o Polo da Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) na região do Médio Solimões. O alerta foi feito diante da preocupação com que uma tragédia, como a que matou sete pessoas por falta de oxigênio em Coari (a 363 quilômetros de Manaus), se repita em Tefé (523 quilômetros distante da capital).

Cilindros No último dia 14, o Amazonas registrou colapso na saúde com a falta do insumo em unidades hospitalares da capital (Foto: Sesc-AM/ Divulgação)

“Tefé está sempre em colapso eminente. Chega oxigênio quase todos os dias, mas chega ‘de pingado’. Chega 25 cilindros, chega 30. Isso é irrisório perto da necessidade. Então, se der problema em um barco, se atrasar um avião, a gente corre risco de ficar sem oxigênio”, disse a defensora.

A DPE-AM conseguiu, em conjunto com a Defensoria Pública da União (DPU) e os Ministérios Públicos Federal (MPF-AM), Estadual (MPE-AM) e de Contas (MPC-AM), uma decisão na Justiça Federal para obrigar os governos federal e estadual a distribuírem oxigênio para os municípios do interior do Amazonas, no dia 18 de janeiro. Mesmo assim, o desabastecimento continua.

“Até o momento a gente não recebeu nada de concreto do governo estadual, nem do governo federal. O interior inteiro está com problema. Até poucos dias, o relato de dificuldade era só de Tefé. Agora, a gente começa a receber relato de dificuldade de transporte de oxigênio nos outros municípios do Médio Solimões. Na sexta-feira (22), a gente recebeu um comunicado da procuradora de Jutaí (a 751 quilômetros de Manaus), que está com dificuldade de transportar cilindros para lá. Onde ainda não aconteceu, a tragédia pode acontecer amanhã. A gente pode acordar com uma notícia terrível”, lamentou Márcia.

Pandemia no Amazonas

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) registrou ontem 1.222 novos casos de Covid-19, totalizando 250.935 casos da doença no Estado e mais 86 óbitos por Covid-19, elevando para 7.232 o total de mortes. A Prefeitura de Manaus informou que um total de 141 sepultamentos foi registrado nos cemitérios da capital.

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 1.924 pacientes internados, sendo 1.258 em leitos , 624 em UTI e 42 em sala vermelha, estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a outros pontos da rede de atenção à saúde. Há ainda outros 499 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico.