Lojistas contam que fuga de presos só aumenta sensação de perigo, em Manaus

Comerciantes afirmam que, após a fuga de 35 presos do CDPM 2, estão fechando as lojas mais cedo. Para eles, o medo era constante mesmo antes da fuga

Manaus – “Eu saio pra trabalhar com medo, deixo os filhos em casa e fico preocupada”. O desabafo é da vendedora Lionete Ferreira, 31, sobre o medo que sente após a fuga dos 35 detentos do Centro de Detenção Provisória de Manaus 2 (CDPM 2), ocorrida na manhã do último sábado (12). Até o momento, nenhum dos foragidos foram recapturados pela polícia, segundo informou a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Lojistas contam que fuga de presos só aumenta sensação de perigo, em Manaus (Foto: Raquel Miranda/Arquivo)

Apesar de deixar os filhos com o marido, a vendedora afirma que não se sente segura. Para ela, a presença de familiares não impede que algo ruim seja praticado pelos fugitivos. “Quando chegamos em casa, já vamos logo trancando a casa. Não só por conta da fuga, mas pelo o que a gente vê, diariamente, então é chegar em casa e trancar na chave”, relatou.

A vendedora trabalha em uma loja, na Rua Dr. Argemiro Germano, no bairro Monte Sinai, zona norte da cidade, e conta que, por se tratar de uma área perigosa, os trabalhadores do local sentem-se vulneráveis. “Não só eu, mas todo mundo onde trabalho está com medo. Todo mundo já trabalha com medo. Estão fechando mais cedo devido a fuga. Nós achamos perigoso”, afirmou.

Para o proprietário de uma loja de confecção, Aluízio Cunha, a segurança no Estado tem deixado muito a desejar. Segundo ele, independente da fuga dos detentos, a capital amazonense está a mercê da criminalidade. “Não existe segurança no Amazonas. Nessa área de comércio não tem policiamento. Um dia desses tinha um suspeito aqui na frente, eu liguei para a polícia e só apareceram mais de duas horas depois. Se o cara fosse assaltar, teria acontecido, até mesmo coisas piores, e nada seria feito”, disse.

Enquanto uns se sentem inseguros, outros acham que a fuga dos detentos não amedronta. A comerciante Silvana Barbosa, 43, é dona de um mercadinho, na Rua Itaitê, bairro Novo Aleixo, zona leste de Manaus. Ela conta que, normalmente, a área já é perigosa e, vez ou outra, acontecem assaltos nas proximidades. “Aqui já é perigoso. No sábado passado teve um assalto, fiquei sabendo que foi um lojista, porém, acho que o maior índice de assaltos acontece com as pessoas que trafegam por aqui”, ressaltou.

A comerciante conta que seu estabelecimento nunca foi assaltado. Apesar de ela não ter medo, Silvana conta que sua irmã, que também trabalha no local, sente-se totalmente insegura. “É uma posição minha, mas tem gente que sente medo. Eu acho que, no momento, esses foragidos não fariam nada, por ainda estarem se escondendo. Mas não sabemos como será daqui algum tempo”, concluiu.

O secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), coronel da Polícia Militar do Amazonas, Anézio Paiva, afirmou, por meio de assessoria de imprensa, que o policiamento em Manaus foi reforçado após a fuga. De acordo com a SSP, o sistema de segurança utiliza barreiras fixas e móveis pela capital, faz o uso de helicóptero e troca de informações com outros Estados, entre outras ações, para recapturar os fugitivos.

Fuga de presos

No início da tarde do último sábado, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) divulgou que 35 detentos fugiram do CDPM 2, por um túnel, que foi encontrado próximo a área externa do pavilhão 5. Entre os foragidos há presos considerados de alta periculosidade, como ‘Sandrinho’, ‘Playboy’ e ‘Mano Kaio’. Até o momento, nenhum detento foi capturado.

Policiais militares que trabalham no CDPM 2 afirmaram à REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) que já haviam comunicado a direção do presídio sobre atitudes suspeitas dos detentos, em relação a fuga dos presos. Após a fuga, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) montou uma operação para tentar recapturar os foragidos.

O diretor e diretor adjunto do CDPM 2 foram afastados dos cargos, e foi determinada a instauração de processo administrativo para apurar as circunstâncias da fuga. De acordo com o governo, a decisão foi tomada pelo secretário da Seap, Cleitman Coelho. A secretaria afirma ter adotado novas medidas de segurança para evitar casos semelhantes.

Segundo a Seap, o procedimento administrativo instaurado será conduzido pela Comissão Permanente de Sindicância da Corregedoria do Sistema Prisional e o resultado será encaminhado à Vara de Execução Penal (Vep), do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) e também ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM).

Conforme Cleitman Coelho, caso o processo de investigação feito pela Seap apontar a responsabilidade de algum servidor, a VEP e o MP-AM irão apurar a conduta criminal. O CDPM 2 foi inaugurado no dia 29 de setembro de 2017, construído na rodovia BR-174 (Manaus-Boa Vista). De acordo com a Seap, a unidade conta com 571 vagas.

Exclusivo: áudios e vídeos confirmam que fuga no CDPM 2 era de conhecimento das autoridades

Exclusivo: áudios e vídeo confirmam que fuga no CDPM 2 era de conhecimento das autoridades

Posted by D24am on Saturday, May 12, 2018

Anúncio