Mais de 200 gatos são castrados para prevenção da esporotricose em Manaus

A castração é uma das principais formas para quebrar a cadeia de transmissão da doença

Manaus – Mais de 200 gatos foram castrados no bairro Santo Antônio, zona Oeste de Manaus, com objetivo de combater a transmissão de esporotricose. A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), por meio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) Dr. Carlos Durand, deu início à ação na segunda-feira (25) e encerrou os atendimentos nesta sexta-feira (29).

(Foto: Henrique Souza / Semsa)

“O bairro Santo Antônio recebeu a ação por conta da alta incidência da doença na região, disseminada principalmente pelos felinos. Um levantamento da Semsa, iniciado no final de junho, identificou o quantitativo de gatos nas residências do bairro, com intuito de localizar casos suspeitos e disponibilizar vagas para a castração”, destacou o secretário municipal de Saúde, Djalma Coelho.

O chefe do Núcleo de Vigilância de Zoonoses da Semsa, Jhonata Cavalcante, explicou que a esporotricose animal é transmitida por um fungo que fica naturalmente no solo, do gênero Sporothrix, e ocasiona o surgimento de feridas, principalmente na região do focinho e patas dos animais. A doença também pode ser transmitida para os seres humanos.

“A castração é uma das principais formas para quebrar a cadeia de transmissão da doença, para evitar que o animal saia de casa para procriar e tenha contato com outros animais infectados”, informou Cavalcante.

Casos

Manaus já registrou 160 casos de esporotricose humana desde 2020, além de 240 casos de esporotricose animal, sendo a maioria na população felina. Os sintomas iniciais em humanos são lesões parecidas com uma picada de inseto, e o tratamento, na maioria dos casos, pode ser feito com administração de antifúngico, sob orientação do médico ou veterinário.

A doença pode ser transmitida, tanto aos animais quanto às pessoas, pelo contato com materiais contaminados, como casca de árvores, palha, farpas, espinhos ou terra. O animal contaminado pode transmitir aos seres humanos por meio de arranhões, mordidas ou contato com a pele lesionada.

Mais informações sobre esporotricose animal podem ser obtidas pelo Disque-Saúde (0800 – 280 – 8 – 280), de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h, no WhatsApp 98842-8484 (esporotricose), ou pelo e-mail [email protected]. Para pacientes com suspeita de esporotricose humana, a Semsa disponibiliza atendimento médico em oito unidades de saúde de referência.

Unidades para o atendimento de esporotricose humana

Disa Norte

Clínica da Família Carlson Gracie – avenida Curaçao, s/nº, Nova Cidade.

UBS Armando Mendes – rua Aragarças, s/nº, conjunto Manoa, Cidade Nova. (Policlínica de Referência –Dr. José Antônio da Silva);

 

Disa Sul

Clínica da Família Dr. Antônio Reis – rua Escandinávia, São Lázaro (Policlínica de Referência Castelo Branco);

Disa Leste

Clínica da Família Severiano Nunes – rua das Dálias, s/nº, Jorge Teixeira;

UBS Luiza do Carmo – avenida Ministro Mário Andreazza, 5.585, Vila da Felicidade. (Policlínica de Referência Dr. Antônio Comte Telles);

Disa Oeste

UBS Vila da Prata – rua Gusmania, s/nº, conjunto Ajuricaba, bairro Alvorada;

UBS Santo Antônio – rua Promécio, s/nº, Vila da Prata;

UBS Ajuricaba – rua Lauro Bittencourt, s/nº, Santo Antônio. (Policlínica de Referência Djalma Batista)

Anúncio