Manaus reconta sua história com obras que valorizam a arquitetura e o urbanismo da cidade

Nos últimos anos a cidade de Manaus tem se tornado referência em vários setores e um deles é o resgate arquitetônico

Manaus – Nos últimos anos a cidade de Manaus tem se tornado referência em vários setores e um deles é o resgate arquitetônico que a prefeitura está fazendo com o projeto Centro Histórico, que restaurou prédios como o Casarão da Inovação Cassina, a antiga Câmara Municipal, praça Dom Pedro II, a praça XV de novembro, mais conhecida como praça da Matriz, a avenida Eduardo Ribeiro, entre outras obras.

Um destaque na requalificação urbanística é o trabalho desenvolvido pela Comissão Especial de Paisagismo e Urbanismo, presidida pela arquiteta e urbanista, a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro, em obras como complexo viário Ministro Roberto Campos, entregue em junho deste ano, e o complexo viário Professora Isabel Victoria, com entrega para este ano.

“A gestão Arthur Virgílio Neto tem pensado em urbanismo desde as obras de mobilidade, que ganham mais verde, até a revitalização de locais históricos, como o hotel Cassina, que agora é o moderníssimo Casarão da Inovação Cassina. Essa é uma característica da gestão que busca sempre se aperfeiçoar e entregar para os manauaras mais conforto e qualidade de vida, sendo na arborização ou na ornamentação”, afirmou a primeira-dama.

(Foto: Divulgação/Semcom)

Parabenizando os profissionais de arquitetura e urbanismo, que comemoram o seu dia nesta terça-feira (15), o prefeito Arthur relembrou a importância desse profissional, que faz arte ao construir. “Parabenizo a minha esposa, Elisabeth, e a todos os arquitetos e urbanistas, porque a arquitetura é uma forma de arte e é por meio de técnicas próprias dela que é possível projetar, edificar, restaurar, melhorar e ‘aquecer’ o interior e o exterior dos projetos.

Além das técnicas, a sensibilidade e a motivação do arquiteto e do urbanista são cada vez mais exigidos, para que haja um equilíbrio entre a funcionalidade e o uso sustentável de recursos, e esse vem sendo um norte de nossa gestão, para tornar Manaus mais resiliente”, ressaltou.

Economia

Tantos pontos na cidade são exemplo de uma arquitetura mais harmônica e amazônica, que une o verde ao moderno como a praça dos Cocos, no complexo turístico Ponta Negra, que abriga 22 permissionários em 11 quiosques padronizados, com instalações individuais de estrutura metálica, piso em pedra portuguesa, telha tipo galvalume, bancadas de granito, gradis de segurança, brises em metalon. O paisagismo integrado, com um projeto arquitetônico que preservou e integrou os pés de ficus e palmeiras, garantindo maior conforto térmico e, aos olhos dos administradores, uma verdadeira obra de arte natural.

Os mercados municipais Walter Rayol e Cunha Melo são exemplos de projetos que recuperaram, além da história, a dignidade de profissionais que há mais de 30 anos não tinham uma melhoria no seu ambiente de trabalho. Os locais receberam uma reforma focada na modernização do espaço e novas praças de alimentação, pois hoje servem como locais de almoço para funcionários de empresas, que se hospedam nas proximidades.

blank

(Foto: Divulgação)

Turismo

No cenário turístico, o Centro Histórico de Manaus ganhou uma nova avenida com a reforma da Eduardo Ribeiro e o ordenamento dos “camelôs”, que passaram a ser microempreendedores em grandes galerias populares. A ressignificação da praça da Matriz e da praça Dom Pedro II, que além de sítios arqueológicos, contam a história mais antiga do costume popular de Manaus, também passaram por intervenções de harmonização no paisagismo.

Com a reforma do Paço Municipal, surge o Museu da Cidade de Manaus, que une tecnologia e história contando a história do ciclo da borracha, os coronéis que comandavam a cidade e as características dos mercadores e até indígenas que viviam na região, antes mesmo da colonização do território brasileiro, em exposições reais de cerâmicas fúnebres da época.

Mobilidade

No setor de mobilidade urbana a prefeitura investiu em complexos modernos, que colocaram a cidade em um outro patamar de modernidade como o complexo Ministro Roberto Campos, na avenida Constantino Nery, e o Professora Isabel Victoria, avenida Max Teixeira. A requalificação urbanística também contou com o plano de mobilidade com a reconstrução do Termina 1 e a construção do novo Terminal 6, que liga a região norte da cidade ao centro, além das 16 novas estações de transferência, que dão mais agilidade ao transporte coletivo da cidade ligando, também, ao Terminal 3. Os demais terminais de integração como, o 2, 4 e 5, passaram por reforma completa.

É possível verificar as melhorias também na qualidade asfáltica da cidade, marco da gestão, que revitalizou toda a cidade com as obras de recapeamento asfáltico e de manutenção com tapa-buracos.

Anúncio