Manifestação em Manaus defende democracia

Durante os atos públicos foi lida a Carta pela Democracia aos brasileiros em defesa do estado democrático de direito

Manaus – Nesta quinta-feira (11), em diversas cidades do país, ocorrem manifestações contra os posicionamentos do presidente da república Jair Bolsonaro e para defender a democracia e as eleições livres.

(Foto: Daisy Melo/Adua)

No Amazonas, atos públicos foram realizados em Manaus, Parintins e Tefé. Durante os atos públicos foi lida a Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do estado democrático de direito. O documento tem mais de 960 mil assinaturas de entidades, jornalistas, políticos, líderes religiosos, professores, artistas, empresários, profissionais da saúde, dentre outros.

Pela manhã, ocorreu a leitura da Carta no hall do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais (IFCHS), da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com participação de estudantes e docentes da Ufam, entre eles diretores da Associação dos Docentes da UFAM (Adua). Às 15h, na Praça da Saudade, no Centro, a entidade participou junto com outros sindicatos, centrais sindicais, movimentos estudantis e outras entidades. As mobilizações também marcam o Dia do Estudante, comemorado na mesma data.

A presidente da ADUA, professora Ana Lúcia Gomes, ressalta que foi dia de lutar em defesa da democracia, pois o país está sob ameaça de golpe.

“Nossa ida às ruas, neste momento, demonstra que não aceitaremos retrocessos, que não ficaremos calados diante de medidas governamentais que atropelem o devido processo legal. Já vivenciamos no passado uma ditadura militar e sabemos o efeito disso em nossas vidas. O atual momento no país é dramático, pois ataques ao estado democrático de direito estão sendo postos reiteradamente pelo mandatário da nação”, disse.

A docente afirmou que este dia 11 de agosto é um dia histórico e a Adua soma força aos atos em defesa da democracia, da Educação Pública, pelos direitos sociais, contra a violência, o desemprego e a fome. “É preciso cobrar das instâncias legais o cumprimento da Carta Magna. Bolsonaro nunca nos representou e precisamos mostrar, democraticamente nas ruas e nas urnas, que seu comportamento autoritário não representa o Brasil”.

Anúncio