Maus-tratos a animais somam 249 denúncias, neste ano, no AM

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), esse tipo de crime cresceu 33% no Amazonas, sendo que a maioria dos casos aconteceu em Manaus

Manaus – No Amazonas, casos de mutilação, abandono, agressão a animais somam 249 denúncias neste ano, e segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), esse tipo de crime cresceu 33% no período. No último dia 30 de novembro, a morte de um cachorro por um segurança da rede de supermercados Carrefour, no município de Osasco, em São Paulo, movimentou as redes sociais .

Caso do cão morto, em Osasco (SP) causou comoção nacional. (Foto: Reprodução)

Em outubro, os casos de maus tratos dobraram na capital. No mês, em Manaus, 37 registros foram feitos, contra 12 no ano anterior. Um crescimento de 208%, segundo os dados da SSP. É na capital amazonense também onde estão concentrados a maioria dos casos. Apenas um caso do interior foi registrado neste ano, outros 248 ocorreram só em Manaus.

Os dados de 2018 da SSP fazem referência de janeiro a outubro. Em todo ano passado 204 casos foram notificados no Amazonas, segundo a secretaria, somente dois ocorreram em municípios do interior do Amazonas.

Para a delegada Carla Biaggi, titular da Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente (DEMA), que investiga este tipo de violência, as queixas tem sido cada vez mais frequentes. Entre as mais comuns ela cita o abando de animais. Sobretudo, nesta época do ano.

A delegada explica que uma lei municipal passou a vigorar neste ano, para a criação de uma campanha de conscientização sobre as responsabilidades de se criar um animal doméstico. “O dezembro verde foi instituído na lei municipal 2.323. E porque o mês de dezembro no combate ao abandono dos animais? É o mês que mais têm índices de abandono de animais. Mês de férias e muitas famílias viajam e não tem com quem deixar o seu gato, o seu cachorro e acabam abandonando”, explicou ela.

Apesar do abandono ser o principal foco, a mutilação de animais para fins estéticos também é algo comum, segundo Biaggi. Ela lembra que a proibição de se cortar orelhas e o rabos dos animais, que faz parte do costume de muitos donos, está em vigor há 10 anos no Brasil.

No caso do Carrefour, em um vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver o segurança correndo atrás do animal com o que parece ser uma barra de alumínio. As imagens foram divulgadas nas redes sociais pela ativista e protetora dos animais, Luisa Mell, e pelo vereador de Osasco, Ralfi Silva, que acompanham o caso.

Em nova nota oficial emitida pela rede de hipermercados, o Carrefour disse que “reconhece que um grave problema ocorreu” na loja de Osasco e que “não vai se eximir de sua responsabilidade”. A empresa fechou a unidade de Osasco diante da repercussão nacional do episódio.

Defensora dos animais, a vereadora de Manaus Joana D’Arc também se manifestou, compartilhando as imagens em suas redes sociais e cobrando punições mais severas aos agressores de animais.

“Eu pergunto a cada um de vocês, até quando? Até quando veremos animais sendo assassinados e ficaremos de braços cruzados? O momento é de se revoltar e dar voz aos animais. Vamos pressionais para que a morte não seja em vão”, disse ela em sua conta no Instagram.

Para a delegada esse é o principal ponto que precisa ser cobrado. Uma reforma nas leis ambientais, que também cobrem a proteção dos animais domésticos e silvestres.

“Isso causa muitas comoção só se fala nesse caso do Carrefour eu até me posicionei, como protetora de animais que sou também. A lei é muito branda e dizem: ‘ah porque é um cachorro pode matar, mas não. A pena precisa ser mais rigorosa”, criticou ela.

Para denunciar maus tratos a animais em Manaus, a delegada orienta a população a procurar a sede da delegacia, Rua Paul Adam, s/n, no conjunto Shangrilá 3, no bairro do Parque Dez de Novembro – os telefones de contato são: (92) 3239-3840 e o 3239-3870.