Membro da Lava Jato, delegado do AM destaca benefícios ao País

Pablo Oliva integrou equipe de investigação da operação e exalta consequências do processo

Manaus- A maior operação contra a corrupção do Brasil, a Lava Jato, completou quatro anos, neste sábado (17). A operação iniciou com uma investigação referente à lavagem de dinheiro envolvendo grandes empreiteiras do País, partidos políticos e a Petrobras.

Pablo Oliva integrou equipe de investigação da operação e exalta consequências do processo. (Foto: Divulgação)

O diretor regional da Associação de Delegados da Polícia Federal no Amazonas (ADPF-AM) Pablo Oliva, teve a oportunidade de contribuir com parte da operação. O diretor acredita que a operação, além de todo o benefício para a sociedade, mudou o pensamento das pessoas em relação ao tema corrupção. “A população acreditava que a corrupção era algo que não atingia seu dia a dia diretamente. E que é um problema até mais sério quanto saúde, segurança e educação, que afeta sim a vida dos brasileiros e a operação ajudou as pessoas a terem essa visão diferente sobre o assunto”, explicou.

Quatro anos depois da operação deflagrada, o delegado acredita que o País está no caminho certo, no que se refere ao combate à corrupção. “Estamos mostrando que instituições fortes trazem resultados fortes, positivos, para a sociedade. Nosso trabalho é sempre com isenção, independente de quem estamos investigando. Me sinto um privilegiado de ter feito parte e de saber que a população reconhece o nosso trabalho”, disse o delegado.

Pablo ainda acredita que depois da Lava Jato, a postura de políticos e empresários têm mudado. “As pessoas ficaram com mais receio de serem descobertas, presas. A sensação de ‘ter gente olhando’ fez com que as pessoas ficassem mais difíceis de serem corrompidas. Ainda tem muito a ser feito mas, com certeza, estamos no caminho certo”, afirma.

O delegado é o responsável pelo Simpósio Nacional de Combate à Corrupção que, este ano, terá a sua terceira edição. Durante as duas primeiras edições do Simpósio, já passaram por Manaus importantes nomes responsáveis pelas investigações da operação Lava Jato, como os delegados federais Felipe Hayashi, Érika Mialik Marena e Luciano Flores de Lima. “Como amazonense, me incomodava o fato da corrupção ser um assunto extremamente discutido fora daqui. Foi quando resolvi trazer a discussão para o nosso Estado, com importantes nomes da justiça brasileira”, explica Pablo. O 3º Simpósio Nacional de Combate a Corrupção acontecerá em junho deste ano.

Anúncio