Ministro da saúde expõe plano de vacinação para Manaus

Ministro da Saúde afirmou que vacina desenvolvida em Oxford garante eficácia de 71% mesmo se não for tomada duas vezes

Brasília –  O Ministro da Saúde, General Eduardo Pazuello, anunciou o pacote de vacinação para o Amazonas nesta segunda-feira (11), em cerimônia realizada no Centro de Convenções Vasco Vasquez, na Av. Constantino Nery.

Pazuello fez questão de falar usando a máscara (Foto: YouTube / Reprodução)

A ação ocorre em um momento que o estado acompanha o avanço da Covid-19 em níveis alarmantes, com a ação sendo considerada essencial para diminuir a pandemia no estado. Pazuello acredita que a vacina no Amazonas já está em seu estágio final para que o imunizante seja aplicado nos amazonenses.

“Cabe ao Ministério fazer a vacina chegar no estado. O plano de vacinação do estado já existe, só está sendo adequado para ser executado. O país já contratou 354 milhões de doses de vacina da via Fiocruz, com 110 milhões de doses até junho, além de 100 milhões até dezembro”, detalhou o ministro.

Leia mais:

Após quase 6 mil mortes, Amazonas não terá prioridade na vacinação

Plano de imunização do Governo do Amazonas engloba apenas 25% da população em 2021

Com os contratos assinados com os mais diversos consórcios, a chegada do imunizante no país já é aguardada. “A importação de uma das vacinas é esperada para os próximos 10 dias, com a eficácia garantida pela Anvisa. Uma delas já de uso exclusivo do Sistema Único de Saúde (SUS)”, detalhou Pazuello.

Mesmo com a alta demanda de seringas necessárias, Eduardo acredita que os estados estarão preparados. “Temos grande depósitos para atender as salas de vacinação, estruturados, com prefeitos e governadores devendo garantir pelo funcionamento dos locais de aplicação de vacina e nós garantindo a logística”, explicou.

Apesar da situação alarmante do país com a doença, ele defendeu o livre-arbítrio com relação ao imunizante. “A vacina, no de que depender do Ministério, não será obrigatória”, disse Eduardo.

Para ele, além da vacinação, o ministro também defendeu a utilização de remédios aos doentes. “Sou a favor do tratamento precoce, não é momento de discutir se esse ou aquele concorda com a medida, pois os conselhos federais são a favor do tratamento precoce. O tratamento e os medicamentos tem que ser indicados imediatamente”, afirmou ele.

Pazuello também cobrou o prefeito David Almeida (Avante), em busca de maior ação na contenção. “O que salva vidas são as Unidades Básica de Saúde (UBS), com todas atendendo e triando Covid, pois o cidadão merece ser atendido do lado de casa, nem que seja em uma área externa, para realizar seu diagnóstico clínico”, explicou o Pazuello.

Ainda segundo o ministro, o Governo Federal vem prestando todo o auxílio necessário para o Amazonas sair da crise na qual o estado se encontra.

“Tudo que nós foi pedido, ou está sendo entregue ou já foi entregue. E entregaremos sempre que o estado precisar. Estamos recrutando 500 profissionais para vir já no início, além de equipamentos necessários”, revelou.

Para ele, o governo do Estado precisa agir contra a doença. “Precisam ser tomadas medidas para reduzir entradas de hospitais de outras doenças, pois a do Covid ainda não dominamos, pois demora cerca de 14 dias, cabendo ao governador encontrar essa saída”, argumentou.

Anúncio