Nova linha de transmissão que levará energia para Iranduba e Manacapuru é inaugurada

Após um curto subaquático que danificou o fornecimento de energia nesses municípios, os cabos aquáticos foram substituídos por cabos aéreos trifásicos

Manaus – O circuito de cabos aéreos da nova linha de transmissão trifásica sob a ponte Jornalista Phelippe Daou, implantada pela Amazonas Energia, foi inaugurado nesta quarta-feira (16). Na ocasião, o governador do Amazonas, Wilson Lima, autorizou os estudos para a construção de outra linha de transmissão que deve auxiliar na distribuição de energia para os municípios de Iranduba e Manacapuru, além de comunidades rurais.

Durante a inauguração desta quarta-feira (16), foram anunciados estudos para a construção de uma segunda linha de transmissão que deve auxiliar na distribuição de energia para Iranduba, Manacapuru e comunidades rurais (Foto: Bruno Zanardo/Secom/Divulgação)

As obras para a construção da linha de transmissão duraram cerca de 65 dias e foram executadas com apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Manaus (SRMM). Participaram da inauguração, representantes da concessionária e de órgãos do governo, prefeitos e vereadores.

“Se isso for tecnicamente viável, está autorizado a Amazonas Energia fazer a construção (da segunda linha de transmissão) do outro lado da ponte, o que dará mais segurança aos municípios de Manacapuru e Iranduba, além das outras comunidades ao longo da rodovia AM-070, que também são atendidas pela Amazonas Energia”, afirmou o governador.

A necessidade de implantação dos cabos veio após a identificação de um curto subaquático em julho deste ano, que danificou o fornecimento de energia a milhares de moradores dos municípios de Iranduba, Manacapuru e comunidades rurais. Os cabos aquáticos foram substituídos por cabos aéreos trifásicos. Foram implantadas, ainda, estruturas tubulares e de concreto, cabos condutores, assim como três cadeias de isoladores.

“Essa manutenção é uma linha de transmissão normal, aérea, com torres como existe em todo Estado. Aqui a característica principal é o fato dela ser dependurada na ponte, o que exigiu um trabalho gigante e cuidadoso. Essa linha exigiu que pessoas trabalhassem em gaiolas, suspensas, com muito cuidado. Com relação a acidentes, nada houve em 65 dias”, afirmou o diretor-presidente da Amazonas Energia, Tarcísio Rosas.

“Todas essas implementações que nós estamos realizando em parceria com a Amazonas Energia, com outras empresas e inclusive com produtores independentes de energia do interior, é para que a gente possa garantir uma segurança energética. Hoje, 60% de Manaus já é atendida por térmicas a partir de gás. O Governo do Estado tem viabilizado, tem trabalhado na questão das licenças ambientais e outras licenças que são importantes para essas atividades, para garantir que haja essa segurança energética”, afirmou Wilson Lima.