Ocorrências de violência contra serviços de água e luz chega a 120 casos, em 2018

De acordo com a Prefeitura de Manaus, furtos, extravios de materiais e ações criminosas contra os trabalhadores das empresas concessionárias dos serviços são os principais registros

Manaus – No acumulado de janeiro a agosto de 2018, foram registradas, segundo a Prefeitura de Manaus, mais de 120 ocorrências relacionadas a furtos, extravios de materiais e ações criminosas contra os trabalhadores das empresas concessionárias dos serviços de abastecimento de água e iluminação pública da cidade.

Um servidor da Unidade Gestora de Projetos Municipais de Energia Elétrica (UGPM Energia), que preferiu não se identificar, relata que já foi vítima da violência no exercício de sua atividade. A unidade é responsável por fiscalizar as atividades executadas pela empresa concessionária Manaus Luz. “Estava em meu carro, fazendo anotações, durante uma fiscalização ao serviço de manutenção da Manaus Luz, quando parou um outro veículo ao lado do meu e um indivíduo desceu, armado, levando meu carro e todos os meus pertences”, relembra.

Substituição de iluminárias furtadas gera um custo alto para o Poder Público (Foto: Mário Oliveira/Semcom Divulgação)

A Manaus Luz tem em torno de 60 eletricistas atuando na capital amazonense e, segundo o servidor, são constantes os relatos de intimidações às equipes técnicas. “Os trabalhadores são intimidados a se retirar em alguns bairros, sem poder realizar o serviço. Se insistem, os criminosos chegam a ameaçar com armas. Eles retornam durante o dia para executar a manutenção do serviço”, diz o fiscal da UGPM Energia.

Até agosto, o serviço de iluminação pública registrou 66 ocorrências, enquanto o sistema de abastecimento de água de Manaus foi alvo por 60 vezes de ações de vandalismo em todas as zonas de Manaus. Os dados constam em relatórios enviados pelas próprias concessionárias Manaus Ambiental e Manaus Luz, respectivamente, à Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman).

“Esses furtos a cabos, luminárias, lâmpadas são danos sociais, porque prejudicam a manutenção desses serviços, deixando a população sem o abastecimento de água e iluminação pública com qualidade. Fora os pais de famílias, trabalhadores que, em campo, no exercício de suas atividades, sofrem com as intimidações desses criminosos”, afirma o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto.

Segundo informações da concessionária dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, R$ 1 milhão foi destinado para conter roubos e furtos nas unidades da Manaus Ambiental, como estações de tratamento e reservatórios. O valor corresponde ao investimento na contratação de empresa especializada em segurança e outras benfeitorias.

“Temos recebido relatórios diários e semanais de boletins de ocorrência encaminhados pela Manaus Ambiental, Manaus Luz, Sinetran (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas) e pelas empresas de ônibus de furtos, de roubos e até de serviços que não são prestados, porque as equipes técnicas das empresas sofrem intimidações. Além dos trabalhadores, a população da cidade de Manaus também padece, já que fica sem a prestação do serviço”, destaca o diretor-presidente da Ageman, Fábio Alho.

Prejuízo com furtos e extravios de iluminação chega a R$ 280 mil

Em Manaus, os prejuízos com furtos e extravios de materiais de iluminação pública em 2018 somam, aproximadamente, R$ 280 mil, conforme levantamento da empresa Manaus Luz enviado à Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman). A Manaus Luz é a empresa responsável pela gestão e execução do serviço de iluminação do município, que é fiscalizado pela Unidade Gestora de Projetos Municipais e Abastecimento de Energia (UGPM Energia), estrutura vinculada à Secretaria Municipal de Parcerias e Projetos Estratégicos (Semppe).

No acumulado de janeiro a agosto, 98 luminárias LED foram extraviadas, o que gerou um total de 45 ocorrências. Outras 18 ocorrências estão relacionadas a cabos furtados, o equivalente a 2.450 metros de fiação levados por criminosos. Na praça XV de Novembro, a Matriz, reinaugurada no ano passado, foram 114 lâmpadas furtadas, sendo três ocorrências registradas ao longo deste ano.

“São cabos, lâmpadas e luminárias LED furtadas em praças, em logradouros, que são trocadas pela concessionária e novamente levadas. Há casos de trocas de lâmpadas em um mesmo local a cada semana”, enfatiza o diretor-presidente da Ageman, Fábio Alho.