Operação chega até sede da Susam e servidores aguardam do lado de fora do prédio

A operação ‘Apneia’ foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (10) pelo Ministério Público do Amazonas

Manaus – Na manhã desta quarta-feira (10), durante deflagração da operação ‘Apneia’, que tem como alvo a Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam), servidores da pasta tiveram que aguardar do lado de fora do prédio, localizado na Avenida André Araújo, bairro Aleixo, zona centro-sul da capital, enquanto a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) cumpria parte dos 14 mandados de busca e apreensão assinados pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

MP-AM e PC-AM chegaram ao local por volta das 6h30 e, ao entrarem na sede do ógão para colherem provas que apontam suposto superfaturamento na compra de equipamentos pela Susam, pediram para que todos os servidores aguardassem na área externo do prédio.

Uma funcionária, que não quis se identificar, contou que chegou ao local e recebeu a informação que não poderia entrar. “Nos fomos surpreendidos com uma viatura e policiais na porta. Não falaram o motivo, só estamos aqui aguardando. Entraria às 8h, mas cheguei mais cedo e estou aqui esperando”, contou ela.

Operação

Ainda na manhã desta quarta, policiais foram até uma vinheria, no Conjunto Manauense, bairro Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul, para colher provas que apontam o possível superfaturamento na compra de ventiladores respiratórios sem licitação. Logo em seguida, foram até a sede da Susam. Segundo MP-AM, a operação é coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO).

O material a ser apreendido pertence a empresários e servidores públicos da Susam, incluídos ex-secretários de Estado. Os crimes sob investigação são os delitos de inobservância de formalidades essenciais para a dispensa de licitação (art. 89 e parágrafo 1º da Lei de Licitações), lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei 9.613/98) e associação criminosa (art.288 do Código Penal).

Os elementos de prova colhidos, até o presente momento, apontam que a contratação, acima referida, foi direcionada para que determinada empresa fosse escolhida para fornecer equipamentos médicos para a Susam, fornecimento esse que apresenta fortes evidências de superfaturamento.