Paulo Martins diz que chegou a acusados de matar delegado após depoimento de um dos réus

O delegado Paulo Martins, que a época do crime era titular da DEHS e coordenou as investigações, foi a quarta testemunha ouvida no julgamento de João Branco. Um dos réus riu durante o depoimento

Manaus – Ouvido como quarta testemunha, o delegado Paulo Martins informou, nesta sexta-feira (250, durante o julgamento do narcotraficante João Pinto Carioca, o ‘João Branco’, sobre a morte do delegado Oscar Cardoso, que a polícia chegou aos acusados a partir do depoimento do réu Mário Jorge Nobre Albuquerque, Mário Tabatinga.

Conforme o delegado Paulo Martins, os policiais chegaram aos cinco envolvidos a partir de monitoramento telefônico (Foto: Jair Araújo/Arquivo)

O delegado Martins, que a época do crime era titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) e coordenou as investigações, reafirmou que foi Tabatinga quem cedeu os veículos usados no dia da morte do delegado e entregou um dos veículos a Marcos Roberto Miranda da Silva, o Marcos Pará, que veio para o julgamento da penitenciária de Mossoró, no Rio Grande do Norte, junto com Diego Bruno de Souza Moldes.

Conforme o depoimento do delegado Paulo Martins, os policiais chegaram aos cinco envolvidos a partir de monitoramento telefônico.

De acordo com Martins, informalmente os réus informaram à polícia que o crime foi praticado a mando do narcotraficante João Branco, mas disse que oficialmente os detentos não iriam falar por medo de serem executados.

Réu riu durante depoimento de delegado

Durante parte do de pimento do delegado Pauli Martins, o réu Marcos Miranda da Silva, ‘Marcos Para’, sorria a todo momento, principalmente, quando o promotor do Ministério Público do Estado (MPE), Edinaldo Medeiros questionava se os réus haviam sido torturados.

De acordo com o promotor, em depoimento, Marcos Pará chegou a afirmar ter participado da morte do delegado Oscar, que foi morto, segundo a polícia, a mando de João Branco, por vingança a suspeita do crime de sequestro e estupro contra a mulher dele.

Leia mais sobre o julgamento:

‘Ele disse ao delegado: não te falei que eu ia te pegar, demorou, mas eu te peguei’, afirma testemunha

Advogado diz que nervosismo de réu se deve ao tempo que passou em prisão federal

Segunda testemunha do caso Oscar Cardoso diz que sofreu coação durante depoimento