PF realiza buscas e prisões em Manaus, em desdobramento da operação Sangria

O cumprimento de mandados de prisão, busca e apreensão é realizado desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (8); a operação Sangria investiga atos de corrupção na Saúde do Amazonas

Manaus – A Polícia Federal (PF), a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagaram na manhã desta quinta-feira (8), um desdobramento da Operação Sangria, que investiga casos de corrupção na saúde do Estado, durante a pandemia de Covid-19.

(Foto: Divulgação/PF)

O objetivo é aprofundar as investigações que apuram possíveis irregularidades em contrato celebrado por dispensa de licitação e em caráter emergencial pela Secretaria de Saúde do Amazonas (SUSAM), atual SES-AM. A Operação Sangria consiste no cumprimento de 5 mandados de prisão temporária e de 9 de busca e apreensão.

(Foto: GDC)

Segundo informações preliminares, mandados de prisão, e de busca e apreensão, estão sendo cumpridos em um condomínio da Ponta Negra e na sede do Governo do Estado, na Compensa.

Investigações

No decorrer das investigações que culminaram na 1ª fase da Operação Sangria, verificou-se que a SUSAM pagou R$ 2,9 milhões a uma loja de vinhos por 28 ventiladores pulmonares para tratar de infectados pelo novo coronavírus. As apurações verificaram que a aquisição foi a valores muito superiores aos de mercado, apontando para superfaturamento e direcionamento à empresa contratada. Além disso, os equipamentos foram considerados “inadequados” para pacientes com Covid-19, segundo o Conselho Regional de Medicina do Amazonas (CREMAM).

O aprofundamento dos trabalhos, consubstanciados nesta segunda fase, apontam para o possível envolvimento de agentes públicos do Estado do Amazonas nas irregularidades investigadas, inclusive com indícios de recebimento de vantagens indevidas, visando o direcionamento da escolha do fornecedor dos respiradores.

*Atualizada às 7h38 para inclusão de informações

Anúncio