Advogados pedem relaxamento de prisão para envolvido no ‘Caso Flávio’

Defesa de José Edvandro Martins de Souza Júnior afirma que ele deveria ter sido submetido à audiência de custódia

Manaus – Os advogados de defesa de José Edvandro Martins de Souza Júnior entraram com o pedido de relaxamento de prisão, nesta segunda-feira (14), alegando que o Artigo 13, da Resolução 213, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), não foi cumprido. José Edvandro foi preso no dia 3 de outubro. Ele está sendo investigado pela Polícia Civil (PC) no caso da morte do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, 42, encontrado morto, no dia 30 de setembro, no bairro Tarumã, zona oeste da capital.

O engenheiro Flávio Rodrigues, 42, foi encontrado morto, no dia 30 de setembro, no bairro Tarumã (Foto: Reprodução)

Segundo o advogado Cândido Honório , a resolução do CNJ diz que todo preso, seja ele em flagrante ou em virtude de mandado de prisão temporária ou preventiva, deve ser submetido à audiência de custódia. Ele afirma que não foi cumprida, pois nenhum dos investigados foi submetido à audiência. O pedido de relaxamento foi feito a juíza Ana Paula Medeiros e deve ser despachado nas próximas 24h, conforme Dantas.

“Nós entendemos que é uma ilegalidade e ela pode ser sanada a qualquer tempo. Então, requeremos a juíza, no pedido de revogação da prisão, que, caso ela não esteja convicta da falta de justa causa para a manutenção da prisão, que designe um dia para fazer a audiência de custódia”, disse.

Outro argumento utilizado pelos advogados foi quanto à declaração do lutador de MMA Mayc Vínicius Teixeira Parede, que assumiu em depoimento a autoria do homicídio do engenheiro.

“Um dos nossos argumentos no pedido que fizemos é em relação, exatamente, na questão da confissão. Se um dos acusados confessa o crime, em tese, não haveria justa causa para a manutenção da prisão dos demais. Mas o argumento principal é que foi ferido o artigo”, explicou.

Anúncio