Carpinteiro é encontrado morto, com marcas de terçado, na Marina do Davi

De acordo com o irmão da vítima, Raimundo da Cunha Amorim se envolveu em uma discussão, após um homem ter tocado as partes íntimas da mulher dele, em um flutuante

Manaus – O carpinteiro Raimundo da Cunha Amorim, 42, foi encontrado morto, com golpes de arma branca pelo corpo, na madrugada deste domingo (24), na Marina do Davi, bairro Ponta Negra, zona oeste de Manaus.

De acordo com Francisco Amorim, 29, irmão da vítima, o corpo foi encontrado com marcas de terçado e um furo feito, supostamente, por uma barra de ferro. “Até o momento não sabemos quem é o suspeito. Meu irmão era uma boa pessoa, trabalhávamos juntos. Por volta de 4h minha irmã ligou dizendo que tinham matado ele. Era um cara do bem, que fazia todo tipo de serviços em flutuantes”, disse.

Raimundo era carpinteiro e natural do município de Tapauá, interior do Amazonas (Foto: Divulgação/Família)

O irmão da vítima contou ao GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC) que, no dia anterior, Raimundo
estava na casa de um tio, assistindo o final da Copa Libertadores, quando recebeu a ligação da companheira, de nome não divulgado, para comemorar a vitória do Flamengo em um flutuante próximo ao local onde moravam. Por volta das 23h, a vítima chegou ao local, onde ocorria uma “bebedeira” e estavam outras pessoas. Enquanto comemoravam a vitória do time, um homem, de características não informadas, tocou nas partes íntimas da companheira de Raimundo, o que gerou uma discussão.

“Um homem passou a mão nas partes íntimas (da mulher) e uma briga iniciou. Meu irmão teria mandado os ‘caras’ irem embora do local. Eles saíram, mas voltaram em uma lancha com um terçado e um ferro, que furou meu irmão. Uns amigos mergulhadores encontraram o corpo dele e retiraram da água. Algumas pessoas me falaram que dois homens, entre eles o suspeito de ser o autor do crime, que ainda não sabemos quem é, passaram com a lancha por cima do corpo dele. Meu irmão teve a cabeça cortada pela hélice”, relatou Francisco.

O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado e removeu o corpo da vítima. Até a publicação desta matéria, o corpo não havia sido liberado para o velório, que deve ocorrer ainda na tarde deste domingo, em uma capela na Marina do Davi.

A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) deve interrogar quem estava no local no momento do crime.

Anúncio