Corpo de mulher é encontrado em caixa de papelão na Ponta Negra

De acordo com a polícia, vítima foi morta por asfixia. Um bilhete, encontrado junto ao corpo, dizia que ela foi morta por ser informante de facção criminosa

Manaus – Um corpo de uma mulher em uma caixa de papelão foi encontrado na manhã deste domingo (9) em uma área de mata na região da Ponta Negra, zona oeste de Manaus. Um bilhete junto ao corpo dizia que ela era uma informante de uma fação criminosa e por isso foi morta. A vítima está sem identificação.

Polícias militares da 19ª Cicom e a CIP Cães foram acionados por volta das 9h30 sobre um possível corpo esquartejado na avenida Cecilia Meireles, no bairro Ponta Negra, na zona oeste. De acordo com o delegado Luiz Rocha da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), junto com o corpo havia um bilhete.

“A polícia militar foi acionada sobre um possível corpo acionado mas não estava esquartejado. O corpo é do sexo feminino, aparentando no máximo 40 anos e possui duas tatuagens, uma no pulso direito escrito ‘Rosa’ e outra no pescoço escrito ‘Deyvison’. Pedimos ajuda de quem estiver acompanhando a reportagem e conhecer alguém com essas características que se desloque até o IML para fazer o reconhecimento”, solicitou.

Ainda na caixa junto com o corpo, havia um recado apontando a possível motivação deste crime. “Tinha um bilhete apontando a vítima como uma informante de uma facção criminosa. Ela foi morta por asfixia há cerca de 8 horas atrás. Então, acreditamos que ela foi morta em outro local e deixada aqui aonde foi encontrada”, disse o delegado.

Segundo o tenente Afonso da CIP Cães, a equipe foi acionada para realizar a busca pelo corpo. “A cachorra Fiona do CIP Cães que é especialista em busca por cadáveres foi responsável por encontrar uma caixa de papelão fechada com fita adesiva onde estava o corpo. A área era um pouco de difícil acesso, porque o corpo estava há cerca de 1,6 m de profundidade. Mas a Fiona apontou o local exato e pudemos constatar a veracidade da denúncia anônima”, relatou.

A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) continua com as investigações sobre esse caso. O Instituto Médico Legal (IML) esteve no local para realizar a remoção do corpo.

Atualizado  12h20