Corpo de uma das amazonenses mortas em Paraisópolis é liberado pelo IML

Laudo indica que mulheres foram mortas por envenenamento. Corpos devem ser levados para Manaus, onde serão sepultados

São Paulo – O IML (Instito Médico Legal) identificou oficialmente, nesta quarta-feira (23), o corpo de uma das mulheres mortas na comunidade do Paraisópolis, zona sul de São Paulo, no início de junho. Já houve a liberação para o sepultamento, no entanto, a reportagem não tem informação sobre qual das duas que se trata.

Em relação ao segundo corpo, a Polícia Civil disse que está em andamento a coleta de novos elementos que auxiliem na confirmação da identidade da vítima. As investigações seguem pelo DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa), que atua para esclarecer as circunstâncias do crime, assim como identificar os autores.

Foto: Reprodução Record TV

Nesta quarta-feira tambám foi divulgada a conclusão do laudo do IML que aponta que as amigas Julia Renata Garcia Rafael, de 26 anos, e Claudia Cristina, de 35 anos, foram envenenadas. As vítimas não foram baleadas e teriam sido dopadas com alguma droga colocada na bebida.

Elas são de Manaus (AM), moravam em Guarulhos, na Grande São Paulo, e teriam sido atraídas para a casa noturna, que fica na comunidade. No local, foram recebidas pelo proprietário da boate.

Segundo a advogada da família de Júlia, uma vez feito o reconhecimento e a liberação dos corpos, serão levados para Manaus, onde deve acontecer o sepultamento das duas.

A Prefeitura da cidade natal de Júlia e Cláudia foi responsável pela contratação da funerária, que fará o deslocamento dos corpos, uma vez que as famílias não possuem condições financeiras para tal.

Anúncio