Dupla é presa suspeita de roubar e matar homem enforcado com fio elétrico, diz Polícia

Rennan Ferreira Ramos foi morto, no último dia 30 de abril, na casa onde morava, no conjunto Monte Sinai, bairro Cidade Nova. A prisão dos suspeitos ocorreu, na tarde de quinta-feira (10)

Manaus – A polícia prendeu dois homens suspeitos de matar, enforcado com fio elétrico, Rennan Ferreira Ramos, 27. A prisão aconteceu dez dias após o latrocínio. Adilho Gonçalves dos Santos, 38, e Emerson Igor de Araújo Sena, 21, foram presos, em cumprimento a mandado de prisão temporária. Apresentada nesta sexta-feira (11), a dupla é suspeita de roubar objetos da casa de Rennan, após enforcá-lo.

A dupla nega a autoria do crime. Rennan foi morto, no último dia 30 de abril, na casa onde morava, na Rua Duartina, no conjunto Monte Sinai, bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus. A prisão dos suspeitos ocorreu, na tarde de quinta-feira (10), nos bairros Coroado, na zona leste de Manaus, e no Alvorada, zona centro-oeste da capital.

De acordo com o delegado Jeff Mac Donald, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), os policiais civis prenderam Emerson, após localizarem o Celta usado no crime que é da mãe dele. Na delegacia, ele indicou Adilho como a outra pessoa que esteve no local do crime.

Segundo o delegado, em depoimento, os dois homens dizem que foram cobrar uma dívida e que ficaram no carro enquanto o outro foi até a casa e retirava os objetos de Rennan. “A contradição está em saber se a vítima devia Adilho ou Emerson. Um joga para o outro”, afirmou o delegado. Durante as investigações, a polícia apreendeu aparelhos de som, dois microondas, uma torradeira, uma cafeteira, um ferro de passar roupas, coletes balísticos, uma TV e um muchaco (equipamento usado em artes marciais) na casa de Adilho.

Em entrevista à imprensa, Emerson disse não conhecer Rennan e que Adilho o chamou para procurar emprego. No caminho, segundo Emerson, Adilho pediu para ir cobrar uma dívida, indo até a casa de Rennan e pegando os objetos que Adilho tinha arrumado do lado de fora da casa. “Não desconfiei de nada. Estou passando por isso de graça”, afirmou Emerson que é vigilante e disse que conhecia Adilho após trabalhar com ele em uma casa de show.

Já Adilho afirmou que estava fazendo uma mudança e que havia ficado do lado de fora enquanto Emerson retirava os objetos. O pai de Rennan, o empresário João Ferreira Vital Neto, 55, disse desconhecer qualquer dívida que o filho tivesse. “Meu filho não precisava dever nada a ninguém. Tudo foi armado”, afirmou.

Os mandados de prisão temporária por latrocínio tem o prazo de cinco dias e foram expedidos, na quinta-feira (10), pelo juiz de Direito Eliezer Fernandes Júnior, no Plantão Criminal. Os dois homens foram indiciados por latrocínio e permanecerão custodiados na sede da DEHS, na zona leste, até o término do Inquérito Civil. Em seguida, segundo a Polícia Civil, os homens devem ir ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

Anúncio