Ex-candidato ao Governo do AM é flagrado com arma roubada, em Manaus

Policiais encontraram a arma, que foi roubada de vigilantes, em um fundo falso dentro do porta-luvas do carro de Jardel. O ex-candidato negou saber da existência da arma

Manaus – O ex-candidato ao governo do Estado Jardelvone Nogueira Deltrude, 43, o ‘Jardel’, foi preso, na noite da última terça-feira (26), após ser flagrado com um revólver calibre 38 com restrição de roubo dentro do próprio carro. A prisão ocorreu em um posto de combustíveis, localizado na Avenida Torquato Tapajós, no Bairro da Paz, na zona centro-oeste de Manaus.

Jardel foi autuado por posse ilegal de arma e também por receptação (Foto: Eraldo Lopes)

Conforme informações da Polícia Civil (PC), policiais militares viram o carro em atitude suspeita. A PM conseguiu fazer abordagem ao veículo, um Honda Civic preto, de placa NOO-6960. No carro estavam Jardel, que é cabeleireiro, e mais duas mulheres e um homem.

Durante a revista, os policiais encontraram em um fundo falso dentro do porta-luvas, um revólver calibre 38 com seis munições. O ex-candidato informou aos policiais que o carro era seu.

Leia também: Homem é executado e amigo usado como ‘escudo’ é baleado, no Crespo

Ele foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de uso permitido. Ele foi levado ao 10º Distrito Integrado de Polícia (DIP) onde foi constado que a arma era roubada de vigilantes, que atuam para uma empresa de vigilância no Distrito Industrial, zona sul.

Na manhã desta quarta-feira (27), em entrevista a jornalistas, Jardel negou saber da existência da arma. “Comprei esse carro e nunca soube da existência dela (arma)”, declarou. O ex-candidato também falou que sofre perseguição de um policial e que, durante audiência de custódia, irá falar mais sobre o caso ao juiz.

Jardel foi autuado por posse ilegal de arma e também por receptação. Ele será encaminhado para audiência de custódia, que decidirá se ele ficará ou não preso. No site do Trubunal de Justiça do Amazonas (TJAM) consta que Jardel respondia, desde 2002, a um processo por homicídio junto com mais dois amigos.

Na denúncia feita pelo Ministério Público (MPE) consta que ele e mais duas pessoas mataram com um gargalo de garrafa um homem chamado Juarez da Silva Barbosa, em 2001, no bairro da Compensa, na zona oeste de Manaus. Mas, segundo documentos, o procedimento prescreveu, conforme assinado pela juíza Mirza Telma, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Mirza Telma.

Anúncio