Ex-namorado de miss é principal suspeito de crime; condomínio não colabora com investigações

De acordo com a delegada adjunta Zandra Ribeiro, o prédio no qual Kimberly Karen foi encontrada morta, afirmou que teve dificuldades em obter imagens das câmeras de segurança do local

Manaus – A delegada adjunta Zandra Ribeiro, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), disse em coletiva de imprensa, na manhã desta terça-feira (12), que os responsáveis pelo prédio residencial onde a Miss Manicoré, Kimberly Karen Mota de Oliveira, foi assassinada, não colaboraram como se era esperado e que Rafael Fernandes, ex-namorado da vítima é considerado foragido.

Os investigadores da DEHS estiveram na manhã desta terça, no prédio residencial, para coletar depoimentos e as imagens das câmeras de vigilância do local, além de verificar informações sobre possíveis paradeiros do suspeito.

“Nós realmente tivemos dificuldades no prédio onde o crime ocorreu, inclusive para ter acesso às imagens das câmeras de vigilância, o que nos surpreendeu. Nós deixamos uma equipe de prontidão no local, porque realmente eles não facilitaram a ação da polícia. Isso é uma pena acontecer hoje em dia e realmente estamos tendo dificuldades em lidar com o prédio onde a Kimberly foi encontrada”, explicou a delegada.

Rafael Fernandes com a Miss Manicoré, Kimberly Karen (Foto: Divulgação)

Ainda segundo a delegada adjunta, Rafael Fernandes é advogado e natural de São Bernardo do Campo (SP) e estaria morando alugado no apartamento onde a miss foi encontrada morta. A motivação do crime teria sido o término do relacionamento, que durou apenas três meses. Kimberly foi quem teria tomado a atitude de por um fim na história do casal e Rafael não teria aceitado.

“Segundo testemunhas, ela pôs um fim do relacionamento há alguns dias, mesmo assim ele insistia em falar com a vítima e manter contato, alegando que queria ser um amigo. Acreditamos que eles acabaram se desentendendo e acabou resultando nessa tragédia”, disse.

Kimberly não morava com Rafael, ela dividia um apartamento com uma amiga, em um condomínio localizado na Avenida Constantino Nery e estava desaparecida desde domingo (10), quando o ex-namorado foi buscá-la em seu apartamento.

“Essa amiga que contatou o tio materno e na segunda-feira (11) à noite, começaram a procurá-la. Foi quando a encontraram no apartamento do suposto autor, que está foragido. Eles estavam com os policiais militares que tiveram que arrombar a porta”, completou a adjunta da DEHS.