Família suspeita que empresário tenha sido vítima de atentado

Empresário deu entrada no hospital com fortes dores abdominais e enjoo. Segundo informações preliminares do Instituto Medico Legal, a vítima apresentou traumatismo craniano.

Manaus – O empresário Anastácio Costa da Silva, 57, morreu, na tarde desta quarta-feira (13), por suspeita de envenenamento, no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na zona centro-sul de Manaus, onde estava internado desde a última terça-feira (12). Familiares do homem suspeitam que ele tenha sido vítima de um atentado.

Segundo informações preliminares obtidas pelo Instituto Medico Legal (IML), na zona norte da capital, para onde o corpo foi levado, ele sofreu traumatismo craniano.

De acordo com a sobrinha de Anastácio, a estudante Andriele dos Santos, 22, Anastácio passou o último domingo (10) no hospital e foi liberado após receber o diagnóstico de que tinha tido um Acidente Vascular Cerebral (AVC). No entanto, segundo a sobrinha da vitima, um dos médicos solicitou que o homem fosse submetido a uma tomografia e outros exames que não foram feitos.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que o referido paciente passou por uma tomografia de crânio, no dia 7 deste mês, e foi diagnosticado com hemorragia subaracnoide, com suspeita de morte encefálica.

Ainda de acordo com Andriele, Anastácio passou a segunda-feira (11), em casa, e foi internado no hospital novamente na terça-feira (12). “Quando o médico viu que ele tinha no prontuário dele a recomendação da tomografia ele questionou porque ele tinha sido liberado sem fazer a tomografia. Como atestaram que era AVC se eles nem fizeram o exame?”, questionou Andriele.

A Susam informou, ainda, que “conforme recomenda o protocolo, foram iniciados os testes para morte encefálica. Durante esses procedimentos o paciente evoluiu para uma parada cardíaca e foi a óbito nesta quarta-feira (13)”.

A sobrinha afirmou que o primeiro boletim médico de Anastácio, recebido pela família, apontou que a suspeita de AVC deveria ser descartada. Segundo a sobrinha do homem, a família foi orientada, por uma das equipes médica que atendeu Anastácio, a encontrar vestígios do que poderia ser veneno.

“A suspeita maior é de envenenamento. Nós, que conhecemos ele, sabemos que meu tio não tentaria suicídio”, disse a sobrinha, acrescentando que Anastácio tinha enjoo e dor abdominal durante a internação.

Família descarta suicídio

Segundo Andriele, na casa de Anastácio não foi encontrado nenhum vestígio de veneno. “A gente pediu que o médico solicitasse o rastreamento toxicológico para descobrir que substância que ele tinha ingerido”, afirmou Andriele, acrescentando que os familiares do empresário foram informados, pelo Ministério Público, que o Instituto Médico Legal (IML) é o único que pode fazer o exame no Estado e que bastaria a solicitação de um médico para que o exame fosse realizado.

Segundo Andriele, não é possível fazer o exame pela rede particular de Manaus e a família já tentava fazer o exame, de forma particular, por um laboratório de São Paulo (SP).

Atentado 

Como os familiares acreditam que Anastácio seria incapaz de tirar a própria vida, Andriele afirmou, sem querer dar muitos detalhes, que uma das suspeitas é que Anastácio tenha sofrido um atentado. “Ele sofreu um assalto no meio do ano e acreditamos que alguém tenha o envenenado”, acrescentou a sobrinha de Anastácio.

No IML, o corpo passará por necropsia para identificar a causa da morte. Caso seja constatada a morte por envenenamento, causada por outros que não seja a própria vítima, o caso deve ser investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na zona leste.
A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), por meio de assessoria de imprensa, e aguarda posicionamento da secretaria.

Anúncio