Familiares e amigos prestam as últimas homenagens às vítimas de chacina

O enterro das cinco pessoas mortas a tiros durante a chacina ocorrida no último sábado, na zona norte, contou com uma homenagem do grupo dos Desbravadores, da Igreja Adventista do Sétimo Dia

Manaus – Dor e comoção marcaram o enterro das cinco pessoas mortas durante a chacina ocorrida na noite do último sábado (16), na zona norte da cidade. As vítimas foram enterradas no Cemitério Parque Tarumã, zona oeste, na tarde desta segunda-feira (18).

O enterro das vítimas foi realizado no Cemitério Parque Tarumã, na tarde desta segunda-feira (18) (Foto: Kamila Barros/Divulgação)

Entre as vítimas estão Márcia Gonçalves de Jesus, 44; Edmundo de Jesus Roque, 23; Luiz Carlos Roque de Souza, 19; Poliana de Jesus Roque, 17; e Maria Isadora de Jesus Roque, 14. De acordo com a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), o alvo dos suspeitos seria Edmundo, encontrado morto dentro de um guarda-roupas. Durante a ação criminosa, Rosilanea de Araújo Roque, 34, que estava grávida de oito meses, também foi baleada, mas sobreviveu.

O grupo dos Desbravadores, da Igreja Adventista do Sétimo Dia, do qual Luiz Carlos Roque fazia parte, fez uma homenagem durante o enterro.

Familiares e amigos também estiveram no local e prestaram suas últimas homenagens às vítimas da chacina. Ainda bastante abalados, eles preferiram não falar com a imprensa.

Os familiares e amigos das vítimas preferiram não falar com a imprensa (Foto: Kamila Barros/Divulgação)

Na manhã desta segunda-feira, durante o velório, que aconteceu no Conjunto Prosamim, Centro, zona sul da capital, Domingas Rodrigues, avó paterna de Luiz Carlos Roque de Souza, concedeu entrevista ao GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC). Durante seu desabafo, ela contou que o neto havia saído da igreja e tinha ido visitar a avó materna.

“Ele disse que daria um cochilo e pediu que fosse acordado depois, pois voltaria para a igreja. Foi quando esse lixo que vive aí foi lá e atirou na cabeça de um jovem dormindo. Quero que a sociedade saiba disso. Estou falando pela vida do meu neto”, detalhou.

Domingas revelou que ainda nesta segunda-feira recebeu a ligação de uma sobrinha moradora do bairro Betânia, zona sul, alertando que Rosilanea corre risco de morte. “Minha sobrinha me ligou e disse que vão querer executar a Zizi (como Rosilanea é conhecida)”, afirmou.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Susam), neste domingo (17) Rosilanea passou por uma craniotomia e deu à luz, por parto cesariano, a um bebê do sexo feminino, por volta das 22h30, em uma maternidade da capital. A paciente está sedada em leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em um hospital estadual. A recém-nascida está estável em unidade semi-intensiva (UCI).

Anúncio