Foragida da Justiça, mulher de João Branco é presa em aeroporto de SP

De acordo com a polícia, Sheila Maria Peres é peça fundamental para ajudar a esclarecer os assassinatos de 55 detentos, ocorridos em quatro presídios de Manaus, no fim de maio deste ano

Manaus – Presa na tarde desta quarta-feira (10), no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), a foragida da Justiça Sheila Maria Peres, mulher do narcotraficante João Pinto Carioca, o ‘João Branco’, é peça fundamental para ajudar a esclarecer os assassinatos de 55 detentos, ocorridos em quatro presídios de Manaus, no fim de maio deste ano, conforme afirmou o secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), Louismar Bonates.

Foragida da Justiça, Sheila Maria Peres foi presa quando tentava embarcar para a Espanha (Foto: Divulgação)

Sheila foi presa pela Polícia Federal (PF) no saguão de embarque de imigrantes do aeroporto de Guarulhos, quando tentava pegar um voo para Barcelona, na Espanha.

De acordo com Bonates, Sheila é considerada de alta periculosidade e estava com mandado de prisão em aberto. Ela é suspeita de vários crimes, entre eles homicídio, associação criminosa e tráfico de drogas.

Ao GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), o secretário da SSP informou que a mulher será trazida para Manaus, mas, por motivo de segurança, a data do retorno dela não será informada. “Estamos dependendo da autorização judicial, mas por questões de segurança da operação não podemos revelar mais detalhes”, disse.

Ainda de acordo com Bonates, a prisão de Sheila ajudará a SSP a elucidar uma série de assassinatos ocorridos esse ano em Manaus, além das 55 mortes de detentos, todos integrantes de uma mesma facção criminosa, em quatro unidades prisionais da cidade, nos dias 26 e 27 de maio. Os crimes foram atribuídos pela SSP como uma rixa entre os líderes da facção criminosa Família do Norte (FDN), os narcotraficantes ‘João Branco’ e José Roberto Fernandes Barbosa, o ‘Zé Roberto da Compensa’, que seguem presos em presídios federais de segurança máxima.

Para a SSP, ‘Zé Roberto’ e ‘João Branco’ travam uma guerra pelo comando da FDN. “A prisão dela (Sheila) vai nos ajudar a elucidar esses casos. Não só as 55 mortes (dos detentos), mas as outras que estão acontecendo fora do sistema prisional”, comentou Louismar Bonates.