‘Frio e calculista’: autor de latrocínio em lan house diz que queria ajudar família

O delegado do 13º DIP, Raul Augusto Neto, afirmou que Gedean do Carmo Laredo, acusando de matar o atendente da lan house durante um roubo, é um indivíduo que precisa ser tirado da sociedade

Manaus – “Eu ia usar o dinheiro para ajudar minha família. Só peço que os familiares me perdoem, porque eu não queria matar ninguém”. A declaração é de Gedean do Carmo Laredo, 23, que invadiu uma lan house, no bairro Cidade de Deus, zona norte da capital, e atirou no atendente do estabelecimento, José Eduardo Soares Júnior, 27. José morreu em um hospital da capital, no dia 5 de julho.

Gedean foi preso na última quinta-feira (12), em uma casa de parentes, na Invasão do Buritizal, Conjunto João Paulo, no bairro Nova Cidade, zona norte de Manaus.

Gedean responderá por latrocínio e será levado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) (Foto: Sandro Pereira)

De acordo com o delegado do 13º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Raul Augusto Neto, Gedean realizou o assalto com um comparsa, Luan Pantoja Nogueira, o ‘Sorriso Maroto’, 23, que foi preso em junho. “Graças a uma denúncia anônima, que informou a localização de Gedean, conseguimos localizá-lo e enviamos policiais até a invasão do Buritizal e efetuamos a prisão do suspeito. Ele não esboçou nenhum reação”, relatou o delegado.

Ainda conforme o delegado, Gedean confessou a prática do crime. “Ele ficava se escondendo entre a Cidade Deus e o Educandos, se transportando de um local para outro pela madrugada, através de mototáxis”, contou.

No dia do crime, Luan entrou na lan house primeiro, seguido do comparsa, já com a intenção de praticar o roubo, conforme Augusto Neto. Gedean se assustou quando a vítima tentou reagir e acabou efetuando o disparo, que matou o atendente José Eduardo Soares. “Ele é frio e calculista. Gedean jogou a arma em um igarapé depois de ter praticado o crime. É um indivíduo que tem que ser tirado da sociedade”, disse o delegado.

Eduarda passa bem, segundo a família (Foto: Divulgação)

Luan não possui histórico criminal, mas Gedean já responde processo por roubo na 2ª Vara Criminal, segundo informou Neto. “Um empresário, que preferiu não se identificar, ofereceu uma recompensa de R$ 5 mil para quem passasse informações sobre Gedean, porque ele é suspeito de praticar outros crimes. A pessoa que denunciou a localização do acusado disse não fazer questão da doação”, relatou o delegado.

José foi atingido no peito, socorrido, e levado ao Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Aristóteles Platão Bezerra de Araújo, na zona leste da capital. Gedean responderá por latrocínio e será levado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

Gedean disse à reportagem que pretendia usar o dinheiro roubado para ajudar a família e falou que o crime não havia sido planejado com antecedência. “Infelizmente, ele reagiu, eu estava nervoso na hora e atirei. A minha intenção não foi atirar em alguém”, falou.

‘Não tem como perdoá-lo’, diz pai da vítima

“Eu pedia ao meu filho, todos os dias, para que ele não reagisse a assaltos”, relatou o pai da vítima, o mestre de obras José Eduardo Soares, 57. Quando questionado sobre o suspeito, José disse querer que ele pague pelo que fez. “Essa é uma ferida e uma revolta que não vão sarar nunca”, afirmou.

José também contou que seu filho sofria de instabilidade emocional causada por um acidente de trânsito e, que, se não tivesse reagido ao assalto, talvez não viesse a perder a vida. “Ele não era muito bem da cabeça, não podia ficar muito agitado”, relatou.

As câmeras de segurança da lan house filmaram o momento no qual o crime ocorreu. Assista:

Anúncio