Homem é morto a tiros e empresário é mantido em cárcere privado durante assalto

Crime aconteceu na BR-230, no município de Humaitá. Um dos funcionários do empresário foi morto quando tentava fugir dos assaltantes

Manaus – Um empresário e dois funcionários foram mantidos em cárcere privado por três homens, na madrugada deste domingo (18), em uma casa, na BR-230, no município de Humaitá (a 590 quilômetros a sudoeste de Manaus). Um dos funcionários veio a óbito após ser atingido por disparos de arma de fogo.

Conforme informações da Polícia Militar (PM) de Humaitá, três homens, de nomes não divulgados, entraram na residência do empresário, identificado apenas como Teixeira, para roubar dinheiro da vítima. Em seguida, dois funcionários chegaram ao local e os suspeitos efetuaram disparos contra eles. Josemar Sena Alves, 22, foi atingido por três tiros e morreu no hospital.

Trio foi levado para a Delegacia Interativa de Humaitá (Foto: Divulgação/PM)

Para desviar dos tiros, o empresário se jogou do segundo andar da casa e uma de suas funcionárias, Glória Barroso Reis, de idade não divulgada, fugiu correndo do local, sem ferimentos. Segundo a PM, o empresário informou que estava sendo mantido em cárcere privado desde às 3h, e não conhecia os suspeitos. Durante o tiroteio, o empresário quebrou três costelas, após se jogar do segundo andar, e está se recuperando do trauma.

Os suspeitos fugiram do local em um carro, marca Corsa Classic, de cor preta e placa NCK-6592, em direção à cidade de Porto Velho. Após denúncias, os policiais se deslocaram para a rodovia e conseguiram alcançar o veículo próximo ao quilômetro 100.

Um dos suspeitos, ao perceber a perseguição policial, tentou se esconder em uma área de mata mas foi capturado. Os outros suspeitos não apresentaram resistência e informaram que outra pessoa, de nome desconhecido, havia entrado na mata, quilômetros antes do local onde foi efetuada a prisão. Com ele, segundo os presos, estariam as armas e o dinheiro roubado na loja do empresário.

Após serem identificados pelas vítimas, os suspeitos receberam voz de prisão pelos crimes de tentativa de homicídio, homicídio, sequestro e cárcere privado, porte ilegal de arma de fogo e disparos em via pública.

A arma de fogo e o dinheiro subtraído no assalto não foram encontrados, de acordo com a PM. Os suspeitos foram levados para a Delegacia Interativa de Humaitá (DIH).