Homem é preso suspeito de fingir ser ex-seminarista para cometer estelionatos no AM e RR

Jorge Atila Toscano da Silva, 42, se passava por chef de cozinha e ex-seminarista para enganar as vítimas, geralmente mulheres. Segundo o delegado Aldeney Goes, do 19° Distrito Integrado de Polícia (DIP), a prisão ocorreu na manhã de quarta-feira (24)

Manaus – Nesta quinta-feira (25), a Polícia Civil apresentou Jorge Atila Toscano da Silva, 42, preso por estelionato. O homem se passava por chef de cozinha e ex-seminarista para enganar as vítimas, geralmente mulheres. Segundo o delegado Aldeney Goes, do 19° Distrito Integrado de Polícia (DIP), a prisão ocorreu na manhã de quarta-feira (24), na Rua 19 de Novembro, comunidade Parque São Pedro, bairro Tarumã, zona oeste da capital.

De acordo com o delegado, Jorge se apresentava como chef de cozinha e ex-seminarista para ganhar a confiança das vítimas. Depois ele oferecia produtos eletrônicos com facilidade para compra como valores abaixo dos preços praticados no mercado. Após o recebimento de parte do pagamento, como entrada, o suspeito desaparecia.

Em Manaus, há relatos de pelo menos 13 vítimas de acordo com consulta ao Sistema Integrado da SSP (Sisp-AM) (Foto: Filipe Távora)

“Embora se apresentasse como chef de cozinha, ele não tinha formação na área. No interior do estado, já chegou a se apresentar como enfermeiro também. Outras possíveis vítima dele, que não chegaram a registrar o fato, devem procurar uma delegacia para denunciar o crime”, relatou o policial.

Em Manaus, há relatos de pelo menos 13 vítimas de acordo com consulta ao Sistema Integrado de Segurança Pública do Amazonas (Sisp-AM). Ainda segundo a Polícia, existem diversas ações penais contra Jorge e um mandato de prisão preventiva expedido pela Comarca do município de Tapauá (a 449 quilômetros a sudoeste de Manaus). Além do interior do Amazonas, o suspeito também cometeu crime de estelionato no estado de Roraima.

O suspeito foi indiciado por estelionato e encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), no quilômetro oito, da BR-174, onde ficará a disposição da Justiça.

Anúncio