Irmãos envolvidos em esquema que desviou R$ 4 milhões são presos em Manaus

Glade Jessika e João Marcos tinham um esquema financeiro onde captavam dinheiro de investidores, que acreditavam que a dupla poderia oferecer ganhos sobre o valor investido

Manaus – Na tarde desta sexta-feira (15), por volta das 15h, a equipe de investigação da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), prendeu os irmãos Glede Jessika Vasconcelos da Cruz, 27, e João Marcos Vasconcelos, 21, em cumprimento a mandados de prisão preventiva por estelionato. A dupla atuava em um esquema financeiro que desviou valores investidos por mais de 20 vítimas, totalizando uma quantia em torno de R$ 4 milhões.

O delegado Aldeney Goes (Foto: Divulgação)

Conforme o delgado Aldeney Goes, as investigações em torno do caso iniciaram após vítimas da dupla informarem que Glade Jessika e João Marcos tinham um esquema financeiro onde captavam dinheiro de investidores, que acreditavam que a dupla poderia oferecer ganhos de até 25% sobre determinado valor investido, sem qualquer perda. Porém, os valores foram desviados e às vítimas foram lesadas.

“Até o momento temos a informação que mais de 20 vítimas investiram valores para a dupla, totalizando a quantia de cerca de R$ 4 milhões, todo esse valor adquirido, foi desviado pelos irmãos. De posse dessas informações, solicitei à Justiça o mandado de prisão preventiva”, disse Goes.

Prisão 

Durante diligências realizadas ao longo desta sexta-feira, Glade Jessika foi presa em um condomínio situado na Rua Acre, bairro Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul da cidade, e João Marcos em uma casa localizada na Rua Anápolis, bairro Redenção, zona centro-oeste.

“Eles se exibiam, nas redes sociais, mostrando uma vida regada a luxo. Vamos dar andamento às investigações para sabermos se há a participação de outras pessoas no delito e também se há valores das vítimas a serem recuperados”, relatou a autoridade policial.

Procedimentos

Conduzidos ao prédio da DERFD, Glade Jessika e João Marcos foram indiciados por estelionato. Ao término dos trâmites cabíveis na especializada, eles serão levados para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde deverão passar por audiência de custódia por videoconferência.