Mulher é presa após cobrar taxas para moradores se manterem em invasão, diz Polícia Civil

A Polícia Civil informou que Alzione distribuía loteamentos da invasão, vendendo-os a cerca de 50 moradores e os obrigando a pagar uma taxa de R$ 30, mensalmente

Manaus – Alzione Santos de Souza, 37, foi presa suspeita de cobrar taxas para que moradores pudesse continuar morando em uma invasão localizada na comunidade Paraíso Verde, no Ramal da Cachoeira do Leão, no Km 37 da AM-010 (Manaus-Itacoatiara). A mulher foi apresentada, pela Polícia Civil, à imprensa na tarde desta segunda-feira (10), no 26º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na zona norte de Manaus.

Para a Polícia Civil, mulher estava montando uma milícia (Foto: Francisco Rodrigues/Divulgação)

Segundo o delegado do 26° DIP, Bruno Fraga, a mulher foi presa, na manhã de domingo (9), na comunidade Paraíso Verde. De acordo com o delegado, a mulher é suspeita de chantagear todos os moradores da comunidade, cerca de 50 pessoas. “A Alzione comandava o comércio de drogas naquela região. Ela contava com o auxílio de várias pessoas, que estão sendo investigadas e que apresentaremos em breve”, disse.

As investigações em torno do caso começaram quando, há quatro meses, a equipe do 26° DIP recebeu denúncias sobre crimes que estavam ocorrendo na região. “Conseguimos constatar que Alzione havia constituído uma verdadeira milícia”, afirmou Fraga.

Mulher foi apresentada, pela Polícia Civil, à imprensa nesta segunda-feira (10) (Foto: Francisco Rodrigues/Divulgação)

Segundo o delegado, Alzione distribuía loteamentos da invasão, vendendo-os aos moradores e os obrigando a pagar uma taxa de R$ 30, mensalmente. “Como retaliação àqueles que não pagassem, ela os expulsava. Nós temos informações suficientes que apontam que ela cometia crimes de agressão. Estamos investigando a possibilidade de ocultações de cadáver naquela localidade”, relatou Braga.

Nos anos de 2016 e 2017, a suspeita foi presa pelos crimes de tráfico de drogas e porte ilegal de armas de fogos. Alzione responderá por constituição de milícia e tráfico de drogas, sendo encaminhada ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), localizado no Km 8 da BR-174 (Manaus-Boa Vista).