Mulher de resguardo é estuprada na frente dos filhos e caseiro é agredido no Tarumã-Açu

Crimes foram praticados por quatro homens encapuzados, armados com facas e armas caseiras, em dois sítios, onde as vítimas moram. Criminosos também roubaram um carro

Manaus – Quatro homens encapuzados, armados com facas e armas caseiras, invadiram um sítio, na zona oeste de Manaus, roubaram um carro e espancaram o caseiro em um segundo sítio. Um dos criminosos estuprou a mulher do caseiro que está em período puerpério, também conhecido como ‘resguardo’. O estupro aconteceu em frente ao recém-nascido e a outro filho da vítima, um menino de três anos.

Os criminosos invadiram a moradia do caseiro, de 36 anos, que está localizada próximo ao sítio onde ele trabalha. (Foto: Divulgação/PM)

O crime aconteceu, na madrugada desta sexta-feira (1º), em dois sítios, onde as vítimas moram, no Ramal do Laureano, bairro Tarumã-Açu, na zona oeste de Manaus. Os criminosos invadiram a moradia do caseiro, de 36 anos, que está localizada próximo ao sítio onde ele trabalha.

Na casa do caseiro, os quatro homens procuravam roubar um carro. Lá, eles souberam que o Sandeiro vermelho, de placas JIR-8857, estava no sítio do patrão do caseiro, um homem, de 59 anos. Dois dos bandidos foram até o local.
Os demais permaneceram próximos ao caseiro e à mulher, de 25 anos. Um deles roubou o celular do caseiro e o espancou na frente da casa. Enquanto isso, outro criminoso apontou a faca para o pescoço da mulher e a estuprou.

“Ele ameaçou matá-la se gritasse. Desde então, ela não dorme e ficou muito traumatizada”, afirmou o tenente Odelismar Alves, da 20ª Companhia Interativa Comunitária, que conversou com a vítima estuprada na tarde desta sexta.

Os nomes dos envolvidos foram omitidos para preservar a identidade da vítima de estupro. Segundo o tenente Odelismar, há registros de outros estupros durante assaltos na região do Tarumã-Açu. “Não é a primeira vez que sou acionado para uma situação assim. Às vezes, não encontram o que roubar e estupram”, afirmou.

A mulher fez exames na Maternidade Moura Tapajós para evitar contrair doenças sexualmente transmissíveis. O caso deve ser registrado no 20º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na zona oeste.