PC prende empresário denunciado pela ex-companheira por violência doméstica

De acordo com a delegada de polícia Débora Mafra, o infrator e a vítima se relacionaram durante sete anos, mas não estão mais juntos

Manaus – A equipe de investigação da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM), sob o comando da delegada Débora Mafra e com apoio de policiais militares da 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), cumpriu, nesta terça-feira (20), por volta das 20h30, mandado de prisão preventiva em nome de um empresário de 42 anos, em razão de violência doméstica cometido contra a ex-companheira dele, uma mulher de 41 anos.

De acordo com a autoridade policial, o infrator e a vítima se relacionaram durante sete anos, mas não estão mais juntos. Conforme a delegada, no dia 6 de agosto deste ano, o homem ameaçou a ex-companheira dele na vidraçaria onde eles trabalhavam. Na ocasião, imagens foram capturadas pelas câmeras de segurança da empresa em que trabalhavam, causando grande comoção a sociedade.

A delegada Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (Foto: Divulgação)

“O empresário tem diversas passagens por violência doméstica, sendo duas registradas, em 2014, por uma ex-companheira dele, em que ela relata ter sofrido perturbação da tranquilidade, ameaças e injúrias. Também consta no sistema um registro de ocorrência relatando que ele cometeu o mesmo delito contra a vítima, neste ano”, explicou Débora Mafra.

De acordo com a titular da DECCM, a ordem judicial em nome dele foi expedida no dia 20 de agosto deste ano, pela juíza Luciana da Eira Nasser, do 2º Juizado Especializado no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (Maria da Penha). Segundo Mafra, o homem foi preso na empresa dele, situada na rua São Sebastião, bairro Japiim, zona sul da capital.

Indiciamento

O empresário foi indiciado por descumprimento de medida protetiva e violência doméstica. Ao término dos procedimentos cabíveis na unidade policial, ele será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde irá permanecer à disposição da Justiça.