‘Piratas’ especializados em roubo de combustíveis são presos, no AM

Deflagrada na última quinta-feira (7), a operação ‘Piratas do Rio Negro’ resultou na prisão de seis suspeitos de envolvimento em roubos e um latrocínio, ocorrido em fevereiro, em uma balsa que trafegava nas proximidades de Manaus

Manaus –  A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) apresentou, na manhã desta terça-feira (12), o resultado da operação ‘Piratas do Rio Negro’, deflagrada na última quinta-feira (7), que resultou no cumprimento de mandados de prisão preventiva de seis suspeitos de envolvimento em roubos e um latrocínio, ocorrido no dia 25 de janeiro deste ano, em uma balsa que trafegava pelo Rio Negro, nas proximidades de Manaus. Na ocasião, o vigilante da embarcação, Ademir Monteiro dos Santos, 66, foi morto e um outro vigilante ficou ferido. Foram presos: Marcelo Oliveira Martins, 20; Bruno Garcia de Oliveira, 23; Francisco Monteiro Rodrigues, 25; Leandro Monteiro de Oliveira, 25; Silvio Castro da Silva, 29, chamado de ‘Branco’, e Thiago da Silva Coimbra, 30.

(Foto: Alan Geissler/GDC)

De acordo com o titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), Guilherme Torres, a investigação durou aproximadamente dois meses. “Nós tivemos o start com o latrocínio, que ocorreu no dia 25 na balsa do Marapatá, e a partir daí começamos uma investigação em campo e conseguimos identificar uma organização criminosa com estrutura definida, com divisão de tarefas, cada um sabendo da sua função. Essa é uma verdadeira organização criminosa e eles (membros) são especialistas em subtrair combustíveis de balsa, de transportes de combustíveis”, explicou.

Ainda segundo o delegado, o líder do grupo, Silvio Castro, ficava na ‘Balsa do Amarelinho’, na Manaus Moderna, coletando informações tanto sobre embarcações que vinham com passageiros e carga valiosa, como de embarcações que estariam transportando diesel. “Depois de coletar as informações, ele convocava os demais membros, onde cada um tinha sua função, e (para realizar os roubos) contavam com duas embarcações de apoio: um motor 15 e uma ‘bajara’, que é de propriedade do Lucas, que mora do outro lado do rio”, relatou Torres.

A PC conseguiu efetuar a prisão do grupo depois de identificar o receptador do combustível, identificado apenas como Raimundo, vulgo ‘Maguila’. “Existia um esquema que dificultava a prisão deles, pois, a partir do momento em que o grupo subtraia o combustível, conseguia praticamente evaporar esse combustível muito rápido, porque já tinha um receptador que foi identificado como Raimundo, o vulgo ‘Maguila’, que recebia o combustível por um real o litro,” explicou o delegado da Derfd.

De acordo com o delegado adjunto da Derfd, Demetrius Queiroz, as prisões foram realizadas em ação conjunta com a equipe da Delegacia Fluvial (Deflu). “Foi um trabalho exaustivo que envolveu toda a nossa equipe de investigação. As prisões ocorreram em cinco lugares diferentes, o que dificultou a nossa operação, porque a partir do momento que eles souberam da repercussão que teve na mídia sobre a morte do vigilante, se espalharam,” disse.

O delegado ainda informou que a primeira prisão foi feita no bairro Educandos, na zona sul da capital, onde estava Marcelo Oliveira Martins. Com ele também foram encontrados entorpecentes. Em seguida foram presos, em Manacapuru (a 68 quilômetros a oeste de Manaus), Silvio Castro da Silva e Bruno Garcia de Oliveira. Já Leonardo Monteiro de Oliveira foi preso no bairro Raiz, também na zona sul da capital. Outro membro do grupo, Francisco Monteiro Rodrigues foi preso na própria casa, no bairro Cidade Nova, zona norte, e Thiago da Silva Coimbra foi preso na feira da Panair, no Educandos.

Segundo o delegado da Derfd, não houve conflito durante a prisão dos suspeitos. Os seis homens foram indiciados por latrocínio e organização criminosa.

Anúncio