Polícia prende trio por ataque ‘pirata’ no rio Negro; três homens morreram após assalto

As vítimas foram obrigadas a pular no rio nas proximidades da Praia da Lua. Suspeitos disseram que não sabiam que os missionários não iriam conseguir nadar e sobreviver

Manaus – Três homens foram presos suspeitos de roubar uma lancha de missionários evangélicos e forçá-los a pularem no Rio Negro. Apenas um conseguiu nadar e sobreviveu. Durante entrevista coletiva à imprensa, na tarde desta quarta-feira (28), os suspeitos disseram que não sabiam que os missionários não iriam conseguir nadar e sobreviver. A Polícia Civil informou que o trio confessou ser responsável por dez roubos semelhantes aos que tiveram os missionários como vítimas.


As vítimas foram obrigadas a pular no rio nas proximidades da Praia da Lua. (Foto: Divulgação/PC)

Antônio José Monteiro, 45, conhecido como “Louro”, Maicon Ribeiro de Oliveira, 25, o “Pato”, e Sharlim Silva Charles, 18, “Gatinho”, foram presos, por volta de 18h, em flutuantes diferentes, no porto Marina do Davi, bairro Ponta Negra, zona oeste. A detenção ocorreu, em cumprimento a mandados de prisão, dez dias após o latrocínio, registrado na noite do dia 16 de fevereiro, no Rio Negro, próximo à Praia da Lua e Comunidade Nossa Senhora de Fátima, na zona rural da capital, para onde os missionários seguiriam para evangelizar.

De acordo com o delegado Adriano Félix, titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), Maicon e Sharlim estavam em outra embarcação e abordaram a lancha dos missionários, anunciando que queriam roubar a lanchar para roubar o motor de popa de 15 HP. Ainda segundo o delegado, Maicon e Sharlim mandaram que os missionários pulassem no rio.

“Eles (os presos) informaram, em depoimento, que jamais imaginariam que as vítimas não sabiam nadar”, disse Félix, acrescentando que os missionários foram abordados oito minutos, cerca de 200 metros da margem, após saírem da Marina do Davi. Um rifle de calibre 38 foi apreendido pela equipe de investigação da delegacia especializada.

Pularam no rio os missionários evangélicos Cristiano Cezar de Souza, 38, Raimundo Marcelo Alves Moura, 37, Jardel da Silva Ribeiro, 22, e Alexandre Eduardo de Sales, 39. Apenas este último, que estava pilotando a lancha, conseguiu nadar até a margem, sobreviver e pedir ajuda.

Ele disse que saíram do porto por volta de 20h30, após o atraso de alguns dos missionários, e encontraram os criminosos no meio do rio. “Eles já estavam esperando, já sabiam que a gente ia passar por ali. A gente nunca acha que esse tipo de coisa vai acontecer com a gente”, disse Alexandre, acrescentando que já faz o trabalho de evangelização no local há, pelo menos, quatro anos.

Ainda segundo Alexandre, além do rifle, a dupla também estava armada com uma pistola. Alexandre disse ter pulado na água, por primeiro. O último a cair na água foi Cristiano que tinha uma deficiência em uma das pernas, segundo Alexandre.

O missionário acrescentou que saiu nadando com Cristiano por, pelo menos, 10 metros, mas sentiu que não ia conseguir salvá-lo. “Ele tinha um problema que só andava arrastando o pé no chão. Ele falou: -mano, me larga senão nós dois vamos morrer”, recordou Alexandre, acrescentando ter visto quando Cristiano afundou. “Quando ele deu o último suspiro, ainda voltei, meti minha mão para tentar pegá-lo, mas não consegui”, acrescentou.

Após roubarem a lancha, segundo o delegado, o trio roubou o motor de popa e o vendeu por R$ 700 para um homem, que ainda não foi identificado, no bairro São Raimundo, zona oeste. “As investigações continuam para sabermos quem foi o receptador desse motor”, disse o titular da DERFD, acrescentando suspeitar que o receptador do motor já comprou outros objetos roubados.

Apesar de não ter participado da abordagem com os missionários, Antônio também vai responder pelo crime já que, segundo o delegado, foi quem forneceu o rifle e o bote de alumínio para a dupla praticar o roubo.

Para o delegado, o trio é suspeito de atuar em, pelo menos, dez roubos com características semelhantes ao que vitimou os missionários. “Já estavam praticando esse tipo de crime”, afirmou o delegado. Durante entrevista coletiva à imprensa, Maicon assumiu ser quem estava portando a arma e afirmou estar arrependido. “Não sabia que eles não iam conseguir nadar”, disse. Questionados sobre a responsabilidade em outros roubos semelhantes, o trio não respondeu.

Os três homens vão responder por latrocínio, latrocínio tentado e associação criminosa. Eles serão levados para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

Anúncio