Polícia segue investigando assassinato de engenheiro

Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, foi encontrado morto um dia depois de participar de uma festa no Condomínio Passaredo, no bairro Tarumã

Manaus – O 19° Distrito Integrado de Polícia (DIP) segue investigando o homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, encontrado morto, na tarde desta segunda-feira (30), no bairro Tarumã, zona oeste da capital. O delegado Aldeney Goes, que está a frente das investigações, concederá entrevista ainda na tarde desta terça-feira (1º).

O corpo de Flávio está sendo velado, nesta terça, na Funerária Canaã, Rua Major Gabriel, 1.833, bairro Centro. De acordo com Helder Silveira, advogado da família da vítima, “até o momento, a informação que nós temos não é nada oficial”.

“Ainda estão sendo ouvidas as testemunhas. Tem muita especulação aí, na rede social, mas nada passado pela autoridade policial, nem pela família. Pessoas do condomínio estavam sendo ouvidas, pessoas que estavam lá estavam sendo ouvidas como testemunhas. Está sendo investigado um desaparecimento, um possível sequestro e um homicídio”, disse Silveira.

O engenheiro foi encontrado morto após participar de uma festa no Condomínio Passaredo, no bairro Ponta Negra, zona oeste de Manaus, neste domingo (29). A casa onde a festa aconteceu é de Alejandro Molina Valeiko, filho da primeira-dama do município, Elisabeth Valeiko Ribeiro.

Pronunciamento

Na manhã desta terça, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, Neto se pronunciou, por meio de sua página no Facebook, sobre o caso, ressaltando que a residência de Alejandro foi invadida por dois homens até o momento não identificados e encapuzados.

“Minha esposa entrou em desespero, quando soube que gente sem caráter tentava fazer crer que seu filho teria matado Flávio. Maldade indescritível. Alejandro saiu ferido pela truculência dos invasores e, quando o vimos, seu estado era lamentável: ferido, abatido, com medo de ser morto por tipos parecidos com os que levaram seu amigo, outra vítima das drogas, que se espalham como praga, muitas vezes perto da gente”, escreveu.

Arthur falou, ainda, que Alejandro é dependente químico e que espera que os assassinos de Flávio sejam encontrados. “Que os assassinos de Flávio sejam logo presos e levados a julgamento. Manaus merece paz e verdade. Jamais mentiras e terror”.

Anúncio