Principal suspeita do sequestro de criança é presa no Viver Melhor 2

Naiana França, uma ex-presidiária, estaria envolvida no sequestro de Sadia Reis Barros e do padrasto dela, em setembro

Manaus – A ex-presidiária Naiana Alencar França, 32, e Leandro Christopher Ribeiro Silva, 19, foram presos, na manhã desta terça-feira (1º), em um apartamento, no conjunto Residencial Viver Melhor 2, bairro Lago Azul, zona norte da capital. A Polícia Civil (PC) chegou até eles após receber denúncias anônimas informando sobre o possível paradeiro de uma criança de 11 anos que foi, supostamente, sequestrada.

No momento da sua prisão, Naiana França estava acompanhada de Leandro Silva, que também tem passagens pela polícia (Foto: Stephane Simões/Divulgação)

Segundo a delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Joyce Coelho, Naiana seria a principal suspeita no sequestro de Sadia Reis Barros, 11, e o padrasto dela, Leilson de Souza Marinho, 35, ocorrido na tarde do dia 16 de setembro deste ano, na invasão Monte Horebe. A delegada afirmou, ainda, que Naiana responde a um “comando que está dentro do presídio”.

Após receber denúncias anônimas sobre o paradeiro da criança, os policias foram até o endereço verificar a informação, onde encontraram Naiana e Leandro. Com eles, foram apreendidas porções de cocaína e maconha, três notebooks, três aparelhos celulares, além de dinheiro e agendas com anotações do tráfico e um bilhete contendo orientações e o mapa do regime semiaberto, onde deveria ser realizada a entrega de uma encomenda.

“Nós temos convicção de que a Naiana tem envolvimento, sim, com o desparecimento da Sadia. Ela já tinha sido ouvida aqui nesta delegacia, estava sendo notificada para ser ouvida pela segunda vez, quando foi encontrada nesta situação com o Leandro”, disse.

A mãe da criança, de nome não divulgado, registrou um Boletim de Ocorrências (BO) na Delegacia Especializada de Ordem Política e Social (Deops), no dia seguinte ao desaparecimento, e o caso foi encaminhado para a Depca. Conforme a delegada, as informações repassadas para a Especializada é de que teriam sequestrado o padrasto, juntamente com Sadia, e que Naiana, com a ajuda de uma comparsa, cujo nome não foi divulgado para não atrapalhar as investigações, ficou responsável pelos cuidados e o destino da menina.

“Elas obrigaram a menina a fazer aqueles dois vídeos que circularam em todas as redes sociais. E a Sadia, tudo indica, estava no apartamento da Naiana, no Viver Melhor, na segunda etapa, local da prisão, e ela estava esperando ordem sobre o que fazer com a menina”, afirmou.

Joyce afirmou que denúncias anônimas apontam que várias pessoas estão sendo expulsas do Monte Horebe e que Sadia foi retirada de lá após a primeira entrada da polícia no local. Sobre a motivação do desparecimento da criança e do padrasto dela, Joyce falou que a polícia tem trabalhado com duas linhas de investigação. Em uma delas, há a alegação de que a menina teria sido vítima de estupro.

“Provavelmente, o padrasto já esteja morto. A criança, pela data do vídeo, ainda teria ficado viva. Nós temos algumas linhas de investigação. Primeiro, aquela alegação de que a menina teria dito que foi vítima de estupro também não pode ser descartada, considerando que há um suposto tribunal de execução naquela localidade”, falou.

Ainda de acordo com a delegada, após a apreensão dos objetos encontrados na casa de Naiana, foi verificado que a mesma realizava a cobrança de terrenos e lotes no local, além de taxa de manutenção de comunidade.

“Então, é toda uma organização criminosa que funciona ali, arrecadando dinheiro de taxas de moradores e vendendo lotes para que o morador construa o seu barraco. A gente também não descarta que ele (o padrasto), talvez, estivesse devendo algum dinheiro para este grupo. Então, é uma investigação que a gente vai continuar, até que possamos dar uma razão para o sumiço da Sadia”, acrescentou.

Passagens pela polícia

Naiana é ex-presidiária, tendo cumprido nove anos de prisão por roubo majorado, pela participação no assalto a um cartório, em 2017. Segundo a PC, de fora do presídio a mulher passou a coordenar atividades e responder ao chefe do tráfico da invasão Monte Horebe, que está preso.

Leandro também tem uma condenação por roubo majorado, uma passagem por tentativa de homicídio e uma por porte ilegal de arma de fogo. Joyce falou que ele foi preso com uma arma de uso restrito da polícia, na última quinta-feira (26), e foi liberado em audiência de custódia. O homem utilizava, ainda, tornozeleira eletrônica que, no momento da prisão, estava desligada.

A dupla foi autuada em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico de drogas. Eles foram encaminhados para audiência de custódia, no Fórum Henoch Reis, bairro São Francisco, zona sul de Manaus, ainda na tarde desta terça-feira.

Anúncio
Anúncio