Prisão em flagrante de delegado é convertida em preventiva durante audiência de custódia

De acordo com o presidente da OAB-AM, Marco Aurélio Choy, o policial ficará detido na Delegacia Geral da Polícia Civil, para onde  já foi encaminhado

Manaus – A prisão em flagrante do delegado  Gustavo de Castro Sotero, 40, suspeito de matar a tiros o advogado Wilson de Lima Justo Filho, 35, na madrugada deste sábado, na casa noturna Porão do Alemão, além de ferir outras três pessoas, acaba de  convertida em prisão preventiva, na audiência de custódia realizada no começo desta tarde, no Fórum Henoch Reis, zona centro sul.

Na frente do fórum, familiares e amigos do advogado portavam cartazes pedindo justiça. ‘Assassinato não é legítima defesa’ e ‘Chega de impunidade’, eram algumas das frases dos manifestantes.

(Foto: Beatriz Gomes)

De acordo com o presidente da seccional do Amazonas da Ordem dos Advog De acordo com o presidente da seccional do Amazonas da Ordem dos Advogdo Brasil (OAB-AM), Marco Aurélio Choy, o policial ficará detido na Delegacia Geral da Polícia Civil, para onde  já foi encaminhado.

Segundo Choy, o delegado alega legítima defesa. “Entendemos que não há legítima defesa porque ele perpetuou cinco tiros no advogado. Deu dois tiros num primeiro momento depois deu mais tiros. Por mais que o advogado tivesse discutido com ele a reação foi absolutamente desproporcional”, disse Choy ao final da audiência.

O dirigente da OAB elogiou o trabalho da Polícia Civil no caso, ao levou o delegado para o Instituto Médico Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito e pra a carceragem do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

“ O papel da OAB é acompanhar para que o caso não canha no esquecimento”, disse Choy, ao adiantar que a entidade vai trabalhar para que o delegado Gustavo seja acusado por homicídio qualificado. “Me parece muito clara a questão do motivo fútil. O emprego de medida que não permitiu a defesa da vítima”, disse Choy.

 

 

Anúncio