‘Queremos enterrá-la como gente’, diz família, ao cobrar agilidade em investigações

Um dos filhos de Marquilene da Silva, cujas pernas foram encontradas na última quinta-feira (30), também pede ajuda da população para encontrar o restante do corpo da vítima

Manaus – A família de Marquilene Cardoso da Silva, 46, que teve seus membros inferiores encontrados por moradores, na última quinta-feira (30), cobram mais agilidade das investigações para encontrar os outros membros do corpo.

As pernas estavam no Beco dos Escoteiros, na Rua 23 de dezembro, bairro Compensa, zona oeste. Um dos filhos da vítima, que preferiu não se identificar, cobra a aceleração das investigações. “A gente é parente e sabe como é difícil ficar nessa situação e não desejo isso para ninguém, isso é muito ruim. Quero que pelo menos deem alguma pista para nós, e falem sobre o andamento das investigações”, disse.

Os filhos já coletaram amostras de sangue para realizar o exame de DNA e comprovar que as pernas encontradas são de Marquilene (Foto: Divulgação)

Os parentes de Marquilene foram em algumas lojas na Avenida Brasil, onde ela foi vista pela última vez, no mesmo dia em que encontraram as suas pernas. “Fomos até as lojas das proximidades no dia em que ela foi vista. A última notícia que a gente recebeu foi que a loja foi notificada e nenhum investigador falou mais nada”, declarou o filho da vítima.

A família quer encontrar o restante do corpo de Marquilene para realizar o enterro, e pede para que a população ajude com informações. “Se alguém souber de alguma coisa, ligue para o jornal, faça uma denúncia anônima, dizendo aonde está o resto do corpo, porque queremos enterrá-la como gente, como ela veio ao mundo e não só os pedaços”, falou.

Os familiares informaram ainda que Marquilene era usuária de drogas e tentava se livrar do vício. “Tentamos várias vezes ajudá-la, mas o vício é muito difícil e ela não conseguia se livrar. Mas sempre dizia que iria chegar a sua hora, que ela iria sair dessa vida, que ia ser forte”, contou o parente.

Os filhos já coletaram amostras de sangue para realizar o exame de DNA para comprovar que as pernas encontradas são de Marquilene. Os parentes a reconheceram por uma tatuagem e pela cor das unhas que estavam pintadas. Os resultados dos exames sairão no prazo de 60 a 90 dias.

“O tempo é muito longo para quem está sofrendo. Mesmo assim, dando positivo ou não o exame de DNA, nós não queremos só enterrar os membros inferiores”, declarou o filho de Marquilene.

Anúncio