Rafael Fernandes conta à polícia detalhes sobre o assassinato da Miss Manicoré

O analista judiciário confessou ter matado Kimberly Karen Mota, 22, com golpes de faca, na madrugada do dia 11 de maio

Manaus – Rafael Fernandes Rodrigues, 31, chegou a sede da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) na noite do sábado (16), após ter tentado fugir para a Venezuela. Ele confessou à polícia ser o autor do assassinato da Miss Manicoré, Kimberly Karen Mota, 22.

O ex-namorado da jovem contou em detalhes como agiu na noite do crime. Segundo o delegado Paulo Martins, ele disse ainda estar arrependido do que fez.

“Ele estava no seu apartamento com Kimberly. Quando a moça foi ao banheiro, ele pegou o celular dela e leu algumas mensagens que não o agradaram. Rafael foi até a cozinha, pegou uma faca, colocou nas costas e deitou na cama. Ele esperou que Kimberly também deitasse para acertar a primeira facada no pescoço dela. Depois desferiu mais uma facada no mesmo local e a terceira, no tórax”, explicou o delegado.

À polícia, Rafael contou, em detalhes, como matou a jovem (Foto: Divulgação)

Rafael contou aos policiais, em depoimento, que na terceira facada ele viu que Kimberly já estava morta. Segundo o rapaz, o crime foi por volta das 00h30 de segunda-feira (11).

“Após matá-la, Rafael levou o corpo de Kimberly até o banheiro, deu um banho na vítima para tentar retirar o sangue. Tentou vestir outra roupa na jovem, na intenção de esconder o corpo da vítima. Como não conseguiu, ele então trocou de roupa e foi embora no seu carro. O celular da vítima ele disse que jogou em uma área de mata durante a fuga”, completou o delegado.

Rafael contou que pretendia fugir para a Venezuela e se refugiar no país vizinho, que segundo ele está uma bagunça, sendo mais fácil se esconder por lá. “Ele tentou passar pela fronteira da Venezuela uma vez, mas por conta da pandemia do coronavírus, foi impedido de passar. Depois, conheceu uns venezuelanos que o levaram até uma barreira sanitária, mas novamente foi impedido de passar. Quando voltava, foi ameaçado de morte por esses venezuelanos e teve que pagar mais de R$1mil para que não o matassem”, finalizou.

Rafael confessou à polícia ser o autor do assassinato da Miss Manicoré, Kimberly Karen Mota (Foto: Divulgação)

Ligação para o pai em SP

Ainda de acordo com o delegado Paulo Martins, após o assassinato, Rafael ligou para o pai, em São Paulo, que pediu para que ele se entregasse à polícia, o que não foi acatado por Rafael. O pai, após saber da repercussão que o caso havia tomado, cometeu suicídio na noite da última quinta-feira (14). Paulo Martins disse que Rafael ficou sabendo da morte do pai somente após ter sido preso no Estado de Roraima.

Rafael foi preso na tarde da sexta-feira (15), em um barraco feito com bambu no município de Pacaraima, interior de Roraima. Ele foi levado à delegacia geral de Roraima, passou a noite no local, e na manhã do sábado foi ouvido por autoridades policiais locais. Os policiais do Amazonas foram até o estado vizinho receber o preso para trazer de volta a Manaus. Por volta das 21h30, Rafael chegou a sede da DEHS, na zona leste de Manaus.

Segundo a Delegada Adjunta, Zandra Ribeiro, Rafael passou a noite na delegacia e na manhã deste domingo (17), ela mesma vai ouvi-lo. Como já há um mandado de prisão temporária em seu nome, Rafael vai ser encaminhado, ainda neste domingo, ao Centro de Recebimento e Triagem, que fica no Km 8 da BR-174. Lá ele ficará a disposição da Justiça.