Responsável por homicídio que fugiu para o Maranhão chega a Manaus nesta terça

Michael Saboia de Souza confessou ter assassinado Heloísa Medeiros da Silva, no dia 15 de dezembro de 2019

Manaus – Chegou a Manaus, por volta de 11h50 desta terça-feira (9), Michael Saboia de Souza, 19, que confessou ter assassinado Heloísa Medeiros da Silva, 17, no dia 15 de dezembro de 2019, na casa da sua avó, que fica na Rua Miranda Leão, Centro. Michael foi preso na última sexta-feira (5), no bairro Anjo da Guarda, em São Luís (MA).

Policiais civis do Amazonas investigaram o caso e informaram à polícia do Maranhão sobre o local onde Michael estava morando. Os policiais foram até o local e o prenderam. Ele não esboçou reação. Ao saber da prisão, os policiais civis foram até a capital do Estado do Maranhão para fazer a transferência de Michael para Manaus.

Michael Saboia de Souza vai responder pelo crime de feminicídio e ocultação de cadáver (Foto: Divulgação)

Nesta terça-feira (9), Michael Saboia chegou à sede da Delegacia Geral da Polícia Civil, que fica no bairro Dom Pedro, zona centro-oeste, acompanhado pelos policiais civis da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

No local, havia vários familiares de Heloísa, que entoavam gritos de repúdio ao crime. “Eu peço desculpas aos familiares e eu vou pagar pelo crime que cometi”, disse Michael ao chegar à sede da Delegacia Geral.

A mãe de Heloísa, a doméstica Vanusa Medeiros, contou que não aceita o pedido desculpas de Michael, e espera que ele pague pelo crime que cometeu. “Estou bem mais aliviada, e meu coração está bem aliviado no momento. Nós esperamos por seis meses incansáveis que esse momento chegasse e para que a justiça fosse feita. Nosso sentimento é de alívio pela prisão dele”, disse a mãe da vítima.

O delegado Paulo Martins revelou detalhes sobre o crime, segundo a versão contada por Michael Saboia. “Ele é um assassino frio, não esboçou nenhuma arrependimento e confessou o crime. Disse que no dia 12 de dezembro de 2019, convidou Heloísa para ir a um bar que fica no conjunto Vieiralves, bairro Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul. Ele falou que no local tomou bebidas alcoólicas e Heloísa, além de consumir bebidas alcoólicas, também teria usado entorpecentes. Por volta das 4h da manhã do dia 13 de dezembro, Michel levou Heloísa para sua casa, que fica na Rua Miranda Leão, no Centro”.

O réu confesso do crime contou que, durante a madrugada, recebeu uma mensagem no seu telefone celular. Heloísa teria fica com ciúmes e então o agrediu. Ele disse que imobilizou a vítima pelo pescoço e não se lembra dos momentos seguintes. Horas após o crime, acordou e viu a moça morta no local.

Michael, que trabalhava entregando comida no Centro de Manaus, saiu para trabalhar normalmente no dia 13 de dezembro. No fim da tarde retornou ao local, e decidiu cortar o cabelo e arrancar a unhas postiças da vítima. A intenção dele era se livrar do corpo. “Ele disse que pensou em três opções: a primeira era desfigurar o corpo e jogar em algum lugar; a segunda era embrulhar o corpo em um pano e jogar no rio para os peixes comerem, e outra era jogar nem um terreno baldio para os urubus comerem”, disse o delegado Paulo Martins.

Michael contou que, na noite de sexta-feira, dormiu no quarto ao lado do corpo da vítima. No sábado, ainda saiu para trabalhar normalmente e, no início da noite, ainda foi a um aniversário. Na noite de sábado, percebeu que a polícia já estava atrás do paradeiro de Heloísa e decidiu fugir para o interior do Estado. No domingo, dia 15 de dezembro, a polícia encontrou o corpo de Heloísa.

O delegado Paulo Martins disse que Michael voltou à Manaus e pegou uma embarcação para ir até Belém. Da capital do Pará, ele foi via terrestre para o Estado do Maranhão, onde ficou por seis meses. “Ele fugiu usando a identidade do seu irmão, que tem 17 anos. Quando chegou a cidade de São Luís, alugou uma quitinete no bairro Anjo da Guarda e arrumou um emprego. Não podemos afirmar que ele fugiu sozinho, deve ter conseguido ajuda de alguém, mas só a investigação vai dizer”, relatou o delegado.

Michael vai ser ouvido na sede da DEHS, na zona leste. Após os procedimentos, vai ser encaminhado ao sistema prisional do Amazonas. Ele vai responder pelo crime de feminicídio e ocultação de cadáver.