Sargento reformado da PM é morto durante tentativa de assalto

O crime aconteceu em uma loja, na Avenida Autaz Mirim, zona leste de Manaus, por volta das 18h10. A vítima trabalhava como segurança do local

Manaus – O sargento reformado da Polícia Militar Luís Carlos da Silva Costa, 56, foi morto a tiros, na noite desta quarta-feira (19), durante uma tentativa de assalto a uma loja de eletrodomésticos, na Avenida Autaz Mirim, primeira etapa do bairro Jorge Teixeira, zona leste da cidade. A vítima trabalhava como segurança do local.

Policial trabalhava como segurança da loja (Foto: Stephane Simões/Divulgação)

De acordo com informações do comandante da 14ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), major Victor Melo, três homens armados chegaram em um carro, modelo HB20, de cor branca e placa não informada. O crime aconteceu por volta das 18h10, quando a loja estava fechando.

“Pelo o que vimos nas imagens, eles tentaram roubar a arma do policial militar da reserva. Ele reagiu e os três atiraram contra a vítima. Em seguida, eles fugiram no veículo levando a arma do militar”, afirmou o major.

Os peritos do Departamento de Polícia Técnico-Científica informaram que o militar foi baleado com dez tiros, que atingiram o abdômen, as costas e o queixo da vítima.

O presidente da Associação de Cabos e Soldados (ACS), Igo Silva, afirmou que, após 30 anos de serviço na Polícia Militar (PM), Luís Carlos passou a prestar serviço na loja, para recompor seu salário. Segundo Igo, o comandante geral da PM disse que todos os policiais estarão empenhados, em busca dos autores do crime.

“Nosso sentimento é de revolta, de angústia. Eu recebi uma ligação do comandante geral e ele me confirmou que toda a polícia está empenhada na procura desses três bandidos, marginais, que assassinaram o policial militar. Hoje o tiro foi na segurança pública, e esperamos, como sociedade, que a resposta seja imediata; que possamos prender esses infratores”, disse.

O corpo de Luís Carlos foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), na zona norte, e o caso será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).