Suspeito de queimar e torturar ex-companheira é preso em comunidade

O homem, que já havia fugido da polícia duas vezes, foi capturado por comunitários no último sábado. Vítima disse que foi obrigada a tomar a própria urina

Manaus – Luís Fernando Monteiro de Araújo, 21, que estava sendo procurado pela polícia por suspeita de ter torturado a companheira, de 20 anos, durante três dias, em novembro do ano passado, foi preso, no último sábado (28), na Comunidade do Julião, na área do Tupé, região ribeirinha de Manaus. De acordo com a delegada Especializada em Crimes Contra a Mulher, Débora Mafra, o rapaz já estava sendo investigado pela Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescentes (Depca) por suspeita de estupro de vulnerável.

Homem também é investigado por estupro de vulnerável (Foto: Divulgação/PC)

A delegada da Depca, Juliana Tuma disse que o crime foi praticado, após a primeira denúncia, contra uma menina de 10 anos, que também foi mantida pelo suspeito em cárcere privado, na Comunidade do Julião. Mafra informou que o rapaz foi preso em cumprimento a um mandado de prisão. Segundo ela, na última sexta-feira (26), a polícia recebeu informações de que Luís estava escondido no Tupé, na casa de familiares.

Com apoio da Delegacia Fluvial (Deflu) e da Depca, que já estava investigando o suspeito, policiais foram ao local para tentar capturar o homem. “Fomos capturá-lo e ele fugiu de nossas equipes por duas vezes e entrou na mata e não conseguimos encontrá-lo”, falou a delegada.

Conforme a delegada, no sábado pela manhã, Luís foi detido por comunitários do Tupé e, em seguida, entregue à polícia. O suspeito foi trazido para Manaus e encaminhado para a DECCM, onde já foi indiciado pelo crime de tortura e violência doméstica. Ele também será ouvido pela Depca, em relação às denúncias de estupro e em seguida, será encaminhado para uma unidade prisional.

Conforme a delegada Juliana Tuma, o homem foi denunciado por suspeita de ter mantido, por quase três horas e meia, uma menina de 10 anos em cárcere privado e durante esse período tentou estuprá-la.

“A criança reconheceu ele ontem (sábado) porque ele negava. Houve o auto de reconhecimento. Aliás, esse ato foi posterior ao que tinha sido registrado com a doutora Débora (DECCM). Quando descobrimos que já tinha uma mandado (prisão) fizemos ação em conjunto para capturá-lo”, disse Tuma.

Sobre o crime

Luís foi denunciado pela companheira de 20 anos. A mulher disse à polícia, que foi torturada pelo rapaz durante três dias. Ela disse que teve o ânus queimado com um isqueiro e outras partes do corpo queimado com um garfo, além de ser obrigada a tomar a própria urina. O crime foi praticado dentro da casa onde eles moravam, no bairro da Compensa, na zona centro-oeste de Manaus.

***Matéria atualizada às 12h30.

Anúncio