Trio acusado de extorsão cobrava R$ 7 mil para não agredir família de vítima, diz PC

Comandado pela ex-companheira da vítima, segundo a polícia, os três foram presos no momento em que resgatavam o dinheiro em uma agência, no Centro de Manaus

Manaus – Maria Elizete da Silva Neta, 39, Fabrício de Souza Freitas, 33, e Idercley do Carmo Nascimento, 28, foram presos pela Polícia Civil (PC) por extorsão, na última segunda-feira (15), no Centro de Manaus. De acordo com o delegado do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Henrique Brasil, o trio comandado pela mulher exigia de um técnico em eletricista, de 37 anos, R$ 7 mil para que não agredissem familiares dele.

Maria informou à polícia que já teve um relacionamento com o técnico e, durante a relação, o homem vendeu o carro dela por R$ 15 mil e não deu o dinheiro a ela. A partir de então, a mulher passou a exigir o pagamento mas, segundo ela, não obteve retorno.

O trio foi autuado por extorsão qualificada (Foto: Sandro Pereira)

No último dia 12, Maria Fabrício e Edercley simularam contratar os serviços do técnico. Quando o homem chegou ao local, no Conjunto Rio Maracanã, em Flores, zona centro-sul da capital, foi abordado pelos suspeitos e agredido com um taco de beisebol.

Após as agressões, o trio furtou do homem R$ 650, ferramentas de trabalho, documentos pessoas e mais R$ 1,9 mil por meio do cartão de crédito.

Segundo o delegado, após o homem ter conseguido escapar, o trio voltou a entrar em contato e exigiu mais R$ 7 mil. Segundo a vítima informou à polícia, caso não pagasse esse valor, os suspeitos iriam se vingar em familiares dele. Com receio, ele foi à delegacia e denunciou o caso.

Na tarde da última segunda-feira, o técnico foi a uma agência bancária, no Centro, onde fez um empréstimo e entregou, ainda nas dependências da agência, R$ 2 mil aos suspeitos. Após o pagamento, o trio exigia mais R$ 5 mil. Assim que saíram do Banco, Maria Fabrício e Idercley foram presos.

Após a prisão, os policiais conseguiram localizar as ferramentas furtadas do técnico e o taco de beisebol usado nas agressões. À polícia, Maria negou a prática dos crimes mas afirmou que o homem devia dinheiro a ela.

O trio foi autuado por extorsão qualificada. Eles serão encaminhados para audiência de custódia.

Anúncio
Anúncio