Termina rebelião no Puraquequara; não houve morte

A Polícia Militar informou, próximo ao meio-dia, que a rebelião já havia sido controlada na Unidade Prisional do Puraquequara

Manaus – Após quase seis horas, terminou uma rebelião que iniciou, na manhã deste sábado (2), na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), zona leste da capital. A ação foi comandada pela facção criminosa Comando Vermelho (CV) e, de acordo com o secretário de Segurança Pública (SSP), coronel Louismar Bonates, tinha como objetivo uma fuga por meio de um túnel cavado pelos detentos.

A rebelião teve sete reféns, todos agentes penitenciários, e terminou sem mortes. Ainda conforme a SSP, a ação dos internos começou por volta das 6h, durante a entrega do café da manhã. Eles serraram as grades de duas celas e fizeram os agentes de reféns. Em seguida, solicitaram a presença da imprensa e outros órgãos.

Dentro da UPP, um detento gravou um vídeo no qual ele relatou que todos estão vivendo igual bichos. “É desumana a forma que a gente vive”, falou. Em outro trecho, o detento afirmou que “ninguém vai morrer”.

Atualmente, a unidade penitenciária, que é gerenciada pela  Umanizzare Gestão Prisional, tem o total de 1.079 presos, porém, sua capacidade é para 626 detentos, conforme informações presentes em relatório divulgado em junho de 2019.

Familiares

Do lado de fora da unidade, a tensão tomou conta dos familiares que não tinham notícias de como estava a situação dentro do presídio. A mulher de um preso, que não quis se identificar, ressaltou que a rebelião era uma reivindicação de melhorias no local.

Segundo o coronel Lousimar Bonates, o objetivo da rebelião era fazer uma fuga,. “Eles estavam tentando constantemente fazer uma fuga. As duas outras vezes foram abortadas. Eles viram que a única solução seria fazer uma rebelião para distrair os policias enquanto eles cavavam o túnel, mas não conseguiram novamente”, revelou o secretário.

Bonates afirmou, ainda, que a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) vai apurar a questão dos aparelhos celulares usados pelos detentos durante a rebelião.

Tentativas de fuga

No mês de abril, em menos de duas semanas, duas tentativas de fuga foram frustradas pela Seap. A primeira tentativa foi no dia 7, na própria UPP. A segunda aconteceu no dia 17, no Centro de Detenção Provisória Masculino 1 (CDPM 1).

*Matéria atualizada às 14h para acréscimo de informações